Contemplar a salvação de Deus

Artigos Recentes

Sagrada Família de Nazaré: Jesus, Maria e José

Evangelho: Lucas 2,22-40

Por Padre Guilherme Schmidt

Amadas famílias! Que a alegria do nascimento de Jesus nos motive a acolher e viver a Palavra de Deus!

Neste domingo da oitava do Natal, celebramos a festa da Sagrada Família de Nazaré, modelo de vida e santidade para todas as famílias!

O Evangelho do domingo anterior nos motivou a viver em família como anunciadores do nascimento de Jesus, através do serviço e da doação. Hoje, nos deparamos com a cena da apresentação de Jesus por seus pais no templo de Jerusalém, cumprindo os rituais religiosos do povo judeu. Destacam-se as figuras de Simeão e Ana, que contemplam na Família de Nazaré a ação do Senhor! Seus olhos contemplaram a salvação e seus corações se encheram de júbilo e louvor por Deus ter-se feito homem no Menino Cristo.

Que possamos nos espelhar em Jesus, Maria e José para que nossos lares se tornem uma comunidade viva de amor!

Igreja: casa da família de Deus

A casa da nossa família sempre será um lugar referencial, onde nos encontramos, partilhamos o pão, refazemos as forças e convivemos, dia após dia, sob as mesmas circunstâncias. Além de um lugar físico, de abrigo e proteção, a casa é também um lugar sacramental, pois sua ideia sempre nos remeterá ao centro das nossas emoções, a algo que está impresso em nossa alma pelas vivências que permeiam nossa experiência familiar, às lembranças e sentimentos em relação ao ambiente que moldou nossa personalidade.

Como um lugar sacramental, a casa se torna o nosso templo, onde podemos expressar nossos sentimentos. Um lugar que marca cada pessoa de forma única, negativa ou positiva, dependendo do que nela se viveu.

Assim como a nossa casa, onde convivemos em família, a casa de Deus, como chamamos nossos templos, torna-se lugar de encontro, partilha e convivência com outros irmãos, membros da família gerada pela mesma fé.

Daí a importância de levar as crianças desde cedo para a igreja, participando das missas, dos grupos de oração, dos movimentos e pastorais, integrando-as na vida comunitária e ajudando-as a conhecer e amar a Jesus Cristo na comunhão da vida cristã.

Como Jesus foi apresentado no templo, nossos filhos também, ao serem batizados, são apresentados a Deus, mas é preciso que haja o incentivo e o cultivo da fé no coração das crianças, pois apenas ser apresentado não gera intimidade e não gera amor.

Pais e mães, não tenham medo de levar seus filhos pequenos para a igreja, por receio ou vergonha de que eles baguncem ou chorem. Levem-nos mesmo assim! Afinal, nenhum filho retorna a uma casa que não aprendeu a amar. Isso se dá em nossa vida como família e em nossa vida como cristãos!

Nossa Sagrada Família: lugar de todos

Freepik.com

É muito significativo quando um casal de jovens se prepara para o matrimônio e sonha com sua vida em família, com os filhos e netos que desejam ter. Geralmente, como todo projeto de vida, o desejo de formar uma família sempre remete ao futuro, ao que se almeja alcançar, construir e gerar. No entanto, muitas vezes se esquece de quem ficou para trás e faz parte da família: os pais e avós.

A festa da Sagrada Família de Nazaré nos remete a essa necessidade de dar atenção aos mais velhos quando se trata de formar uma família. O Evangelho traz as figuras idosas de Simeão e Ana, ambos tementes e dedicados a Deus. Vejamos que grande convite para valorizar em nossas casas a presença de nossos avós e pais que, muitas vezes, se encontram debilitados em sua saúde e acabam sendo desrespeitados e abandonados.

Ser família compreende mais do que olhar para a frente e planejar. Implica olhar para trás, esperar e acolher aqueles que nos deram a vida, nos ensinaram o valor da fé e hoje caminham conosco em ritmo mais lento.

Seja sagrada a família de cada um de nós, porque nela há um lugar para todos: crianças, jovens, adultos e idosos, formando um só coração!

Que Jesus, Maria e José nos ensinem a viver em família o dom da acolhida e do amor integral! Sejamos abençoados!

Padre Guilherme Schmidt é pároco da Paróquia São Patrício, em Itaqui (RS). Graduado em Filosofia e Teologia, pós-graduado em Bioética e Pastoral da Saúde e em Mediação e Acompanhamento Pastoral de Famílias. Gosta de chimarrão, de ler e de escrever como forma de estar em paz e de expressar seus sentimentos.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada