Uma nova rotina

Artigos Recentes

Dois anos sem reparação das famílias em Brumadinho

Comunidades inteiramente atingidas pelo rompimento da barragem continuam sendo violadas em seus direitos...

Jovens mantêm esperança no trabalho

“Empreender não foi uma falta de opção, foi uma escolha. Saímos dos nossos empregos e abrimos mão de uma carreira para empreender...

Redução da jornada e até trabalho remoto passaram a fazer parte do dia a dia dos trabalhadores brasileiros

Por Sara Gomes

Sair todos os dias, nas primeiras horas da manhã, pegar a condução – muitas vezes, mais de uma –, chegar ao local de trabalho, registrar o ponto e iniciar mais uma jornada que seguia das 8h às 12h e das 13h às 17h. Essa era a rotina de Juliana Passos até o início da pandemia ocasionada pelo novo coronavírus, que tomou conta do Brasil. Ao perceber os riscos que os funcionários corriam e em atenção aos órgãos de saúde e às recomendações municipais, a empresa onde ela trabalha decidiu assumir uma nova modalidade: o home office.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNDA COVID-19), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontam que, em setembro deste ano, cerca de 10,8% dos trabalhadores brasileiros passaram a viver a realidade do trabalho realizado de casa, o que representa cerca de 8,3 milhões de pessoas.

Desafios encontrados no home office

“No início foi muito complicado, porque as pessoas que atendo, a princípio, não entendiam que eu não tinha como mudar os acontecimentos”, conta Juliana, que trabalha há 13 anos na mesma empresa e há três anos na função de auxiliar de escritório.

Enquanto Juliana passou a desenvolver o trabalho remotamente, em outras empresas, além do home office, foram adotadas outras estratégias para tentar driblar a contaminação pelo vírus que já provocou a morte de mais de 190  mil brasileiros. Entre essas estratégias estão a mudança no horário de chegada e saída dos funcionários, para evitar que tenham contato com um número maior de pessoas nos transportes públicos, e a adoção de itens de limpeza, como tapetes sanitizantes, uso constante de álcool em gel e máscaras.

Assim como Juliana, Camila de Jesus dos Santos, de 24 anos, também viu a rotina de trabalho mudar completamente. Jornalista, Camila está habituada a entrevistar pessoalmente inúmeras pessoas. Com a pandemia, esse contato físico se tornou impossível, e ela precisou recriar a modalidade das entrevistas: foi então que os aparatos tecnológicos, como celular, computador e aplicativos de mensagens, se tornaram grandes aliados.

Mas, ainda assim, quem disse que o trabalho ficou mais fácil? “As duas maiores dificuldades que eu tive foram a falta de contato com as pessoas e o barulho da vizinhança. Acredito que, pela profissão, o convívio no dia a dia com outros e as pautas externas fizeram bastante falta, e ainda fazem, na verdade. Quanto ao barulho da vizinhança, durante esse período, infelizmente as pessoas esqueceram que outras estavam em suas casas trabalhando ou, por vezes, enfermas também, e exageraram nas festas: sim, as pessoas, no local onde eu moro, não respeitaram 100% o isolamento”, revela Camila.

Esse novo contexto de trabalho para milhares de pessoas em todo o Brasil é muito observado pela pedagoga Maria Bernardete Cardoso Gomes, vice-diretora de uma escola particular.

Freepik.com

O ensino no tempo de pandemia

Com a pandemia, o modo de ensinar também sofreu alterações, e as aulas passaram a ocorrer através de videoconferências. Mas como ficam os professores? “A nossa orientação é que eles sigam todas as recomendações de saúde, do Ministério da Educação e as didático-pedagógicas implementadas através da resolução do Conselho Estadual de Educação. Os nossos professores realmente precisaram ter a carga horária reduzida, já que não é permitido que os alunos permaneçam muito tempo no ambiente digital. Esse é um desafio para os professores, como funcionários, mas também para toda a sociedade de um modo geral”, afirma.

De fato, a reorganização na rotina é um constante desafio para todos. “Acredito que o trabalho remoto pode se adequar a algumas profissões, mas a outras não. Pode ser uma tendência para os próximos anos, em virtude da necessidade de reduzir o contato das pessoas devido à Covid-19”, afirma Camila.

Disciplina

A pequena palavra apontada neste intertítulo diz muito sobre as mudanças que foram empregadas neste período de pandemia, no que tange à rotina de trabalho. Para quem precisou exercer a função na modalidade home office, por exemplo, estabelecer a disciplina na rotina é fundamental. Uma pesquisa encomendada pela Microsoft e aplicada pela Harris (empresa de análises), que entrevistou seis mil pessoas em oito países do mundo, inclusive o Brasil, mostrou que 33% das pessoas que passaram ao trabalho remoto têm dificuldades em separar a vida profissional da vida pessoal.

Juliana, personagem que abre esta matéria, é mãe de dois filhos: o João Miguel e a Maria Júlia, de 6 e de 1 ano, respectivamente. “Foi um pouquinho complicado fazer as crianças entenderem que, naquele momento, eu precisava parar para trabalhar, pois eles são muito pequenos e não entendem. Mas, graças a Deus, eu consegui”, afirma.

Outra questão relacionada à disciplina é a carga horária. De modo geral, os funcionários chegam e saem das empresas nos horários acordados. Já para quem precisa trabalhar em casa, esse horário pode acabar sofrendo modificações, o que pode prejudicar tanto o trabalhador, quanto o trabalho e as relações familiares.

Para quem está vivendo essa nova realidade de redução da carga horária ou do trabalho remoto, vale a pena anotar algumas dicas:

Jornada de trabalho: adote mecanismos de controle da jornada de trabalho, criando rotinas como se estivesse no ambiente físico da empresa. Tenha horários para o início, descanso e finalização das atividades;

Ergonomia: tenha em mente que é necessário cuidar das condições físicas e psicológicas para o desenvolvimento das atividades – isso inclui mobiliário e equipamentos, além de organização, tempo demandado e ritmo. Cuidados simples evitam doenças físicas e mentais.

Ética: para quem está em home office, o cuidado com os dados da empresa armazenados se torna ainda maior. Além disso, a ética se estende, ainda, para o ambiente familiar: respeite a privacidade da sua família para que informações pessoais não se tornem conhecidas por terceiros.

Sara Gomes é jornalista e possui especialização em Jornalismo e Convergência Midiática. Gosta de estar com a família, com os amigos e na Igreja. A leitura e a escrita fazem parte do seu dia a dia e ajudam a refletir sobre as mais diversas maneiras de enxergar o mundo.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada