O testemunho de dona Vitória

Artigos Recentes

Conheça o afetuoso relacionamento que dona Vitorinha mantém com as Irmãs e colaboradores da Paulinas Livraria de São Luís, no estado do Maranhão

Texto e fotos: Euzimar Jesus Rosa

Vidas entrelaçadas por afetos, escutas, carinhos, partilhas, solidariedade, amor etc. Tantas qualidades que deixam a vida de qualquer pessoa em estado contemplativo de um ato puro do “admirar” – como ressalta Platão, a admiração é a primeira virtude do filósofo. E é justamente a partir dessa conjuntura de ações que este relato de experiência de vida começa a ser dedilhado.

No final de 1979 e início da década de 1980, entre a Praça Benedito Leite e a lateral da Catedral Metropolitana de São de Luís (MA), na Igreja Nossa Senhora da Vitória fazia-se presente um espaço cultural e de evangelização, ou melhor, uma livraria, uma logomarca diferente, um cenário bonito e chamativo, inúmeras pessoas adentrando… Tudo no centro da capital maranhense, com o objetivo de embelezar ainda mais a vida do povo. Que novidade era aquela?

A maranhense Maria Vitória Moraes Tavares Seabra, também conhecida como Vitorinha ou Dona Vitória, quis conhecer a nova livraria que chegava à cidade. A partir daquele dia, nascia um laço de afeto e de gratidão que perdura até hoje. Dona Vitória conta-nos como foi: “Ah, curiosa como eu sou e apaixonada por leituras e livros, não me contive e fui chegando e entrei. Que emoção! Que espaço acolhedor, inovador e aconchegante! Diferente de tudo o que já tinha presenciado. Um atendimento de puro primor! Uma promoção cultural e divulgando a Palavra de Deus na sua centralidade; tudo ofertado ao povo, tanto no espaço físico da livraria quanto nas expressões externadas pelas pessoas. Tudo era visível e eu sentia Deus presente, ali, naquele local e em todas as coisas”, recorda, contente.

20220111_094145.jpg
Fachada lateral da Catedral da Sé – Igreja Nossa Senhora da Vitória (nessa porta lateral/anexo, a Paulinas começou seu trabalho missionário e de evangelização em terras maranhenses, em 20 de agosto de 1979, a convite de Dom João José da Mota e Albuquerque [1964 a 1984]).

Dona Vitória é feliz e grata pela presença de Paulinas Livraria no estado do Maranhão, sobretudo em sua vida, de maneira especial. “Agradeço tanto a presença de cada Irmã Paulina com quem tive a alegria de conviver e partilhar experiências, e levar o Pão da Vida e da Palavra a tanta gente, por meio da minha pessoa, mas cercada de conhecimentos pelas obras publicadas, com as quais a cada mês eu mesma me presenteava, ou as ganhava de presente, a maioria adquirida na Paulinas. Sou também muito grata aos colaboradores da Paulinas, que com muito carinho e atenção souberam me apresentar as diversas obras da editora, quando um livro estava sendo lançado, um CD, a Revista Família Cristã, e tantas outras publicações.

De tanto falar da Paulinas e fazer uso das obras nos encontros de formações, nos grupos da igreja que ia formando com outras lideranças, nos locais por onde eu passava levando a Eucaristia, visitando o povo nos hospitais, lá estava eu dando sinais das fontes e obras desta instituição, a qual sou grata e amo muito. Costumava falar para as pessoas e amigos que eu era “a garota propaganda da Paulinas”, e muitos sorriam e já ficavam aguardando uma bela mensagem. Pensa… eu era bonita naquela época! Hoje, nem tanto”, ressalta, sorrindo e com os olhos marejados, dona Vitorinha. 

Em 2021, no dia 23 de junho, Dona Vitória celebrou 90 anos de vida. Oito dias após a celebração dos 106 anos de fundação da Paulinas no mundo. No Brasil, as duas celebraram Bodas de Álamo. “Conheço a Paulinas desde que chegou aqui, na terra de Gonçalves Dias – autor do poema “Canção do Exílio” – e do padre João Mohana. Não posso esquecer que trabalhei muito com o padre Mohana. Um grande ser humano, uma pessoa admirável que se preparava divinamente para celebrar a Santa Missa. Que alegria é ter vocês comigo!”, comenta dona Vitória, já muito emocionada. 

“Nesta minha casa, onde moro há quase oitenta anos, muitas pessoas já passaram para conversar, desabafar, ouvir e escutar. Já vieram seminaristas, padres e bispos. O bispo emérito da Diocese de Pinheiro, Dom Ricardo Pedro Paglia, me dizia: ‘Vitória, a sua casa é tão acolhedora! Uma verdadeira igreja doméstica’”, comenta feliz. E, assim, vamos percebendo que outros amigos continuam a visitar o espaço acolhedor, localizado próximo à Praça da Alegria, centro. 

Devido a alguns problemas de saúde, Dona Vitorinha já não vai à igreja como fazia antes com tanto amor e devoção. Segundo ela, é o que mais sente falta em sua vida. E deseja que os jovens e as demais pessoas busquem sempre a Deus. Que acreditem mais no Criador e no seu amor por todo filho e filha, nos ensinamentos de Cristo, e que busquem leituras de qualidade para o crescimento pessoal, profissional e espiritual. “A leitura e a oração transformam as pessoas para viver bem e melhor. A Paulinas Livraria e Editora oferecem obras valiosas. Eu consumo até hoje e vivo bem e feliz”, ressalta.

A Eucaristia sempre esteve presente em sua vida: “Eu preciso da Eucaristia. Preciso do Pão da Vida. Se eu não posso ir até à igreja assistir à missa, os ministros da Eucaristia vêm até a mim; trabalho que também já fiz com total amor e gratidão ao meu Bom Jesus Eucarístico! Com a graça de São José, de quem sou devota, do padre Pio, de São Francisco, de Maria Santíssima etc. São tantos santos e santas fazendo parte da minha vida! A irmã Quele Cristina, Irmã paulina, se solidarizou comigo e passou a me trazer a Eucaristia, sempre acompanhada da colaboradora paulina Maria José.

A colaboradora paulina Maria José leva a Eucaristia para Dona Vitorinha uma vez por semana.

Hoje, a Maria José é também ministra da Eucaristia, o que me deixa feliz e grata. São tantas graças e alegrias em minha vida! São tantos momentos belos que tenho vivido na companhia de Paulinas e de todos os colaboradores e amigos! Fiquei em estado de contemplação no ano passado, véspera de Natal, quando a nova gerente da Paulinas, Irmã Janete Leal, e o padre Leonardo, da paróquia Santa Clara (zona rural de São Luís), vieram me visitar justamente no dia em que a minha bisneta celebrava conosco seus 15 anos. Diante de todos esses acontecimentos, afirmo com toda certeza: não sou eu, é Deus em tudo na minha vida, na sua e de todos, a qualquer momento e nos mais diversos lugares. É Deus! Que gratidão!”, finaliza Dona Maria Vitória ou, como todos a chamam, Dona Vitorinha.

Euzimar Jesus Rosa é jornalista, ator, pesquisador do Grupo de Estudos escravidão moderna e mídia (GETECOM), membro do Instituto Histórico e Geográfico de Guimarães (IHGG), colaborador e divulgador da Paulinas Livraria de São Luís (MA).

6 COMENTÁRIOS

  1. Valorizar os idosos é uma bela missão que comunica vida e respeito! Parabéns a Revista Família Cristã por trazer para cena da vida um exemplo de mulher e de vida tão impregnada de Deus/Amor e doação a serviço de tanta gente (irmãos)! Parabéns a essa senhora, a Dona Vitória também tão cheia de vida e dedicação. Tão cheia de sabedoria e gratidão!
    O perfil Gepuba Guimarães Maranhão (GGM) fica feliz por mais uma vez ter a oportunidade de ler um artigo tão cheio de sentimentos verdadeiros e escrito com dedicação e atenção pelo querido jornalista Euzimar Jesus Rosa. Quem conhece este jovem profissional vai compreender o ser humano iluminado que salpica pitadas de carinho, simplicidade e humildade em tudo que busca visibilizar para as pessoas. No seu jeito simples e sensível em captar memórias e afetos do nosso povo e da nossa Igreja. E oferecer numa compreensão singular e inclusiva a quem ama leitura de qualidade. Nossos agradecimentos a todos os envolvidos neste belo trabalho e em oportunizar que muitos leitores possam ler um texto afetuoso e cheio de sinergias, fé, esperança e docilidade… do texto à vida! Vivacidade transbordante em vitórias verdadeiras e de pura gratidão!

  2. A vida dessa grande mulher de fé e cheia de amor é sinal visível da presença de Deus no meio da gente. É emocionante e gratificante conhecer a pessoa da dona Vitória servindo a todos… Do sorriso verdadeiro ao ato da escuta… Uma escuta que cura, que constrói e liberta. Dona Vitorinha é uma grande Vitória! Merece muitos escritos… Muitas narrativas memoriiáticas… Emocionante! Me emocionei muito e ainda me emociono com a presença desse SER humano que é pura beleza e vivacidade! Parabéns! Privilégio ter esse momento vivenciado de tão perto… ❤️Amorosa, felicidades sempre! Agradecimentos, revista Família Cristã 📚📖🥰👏🏾!

  3. Parabéns ao meu amigo Euzimar, obrigada pela mensagem a dona Vitória.
    Dona Vitória foi uma mãe que ganhei quando eu trabalhava na Livraria Paulinas de São Luis do MA.
    Parabéns dona Vitória, porque a senhora é uma serva de Deus,de um coração tão bom, uma pessoa de uma humildade que não tenho palavras para descrever. Obrigada minha querida. Deus abençoe a senhora juntamente com toda a sua família.
    Obrigada Irmãs Paulinas, abraços para todas vocês irmãs; Colaboradores; Cooperadores e Clientes.
    Abraços! Benedita ( Bibi) ex- funcionária Paulinas, porque Colaboradora,serei sempre . Abraços.

  4. Uma verdadeira história de amor e dedicação! Trabalho onde se consegue perceber a presença de Deus em tudo. Um verdadeiro estado de gratidão e demonstração de respeito e valorização da vida em todas as fases com suas vivências. Mais uma vez, parabéns ao jornalista Euzimar Jesus Rosa que consegue com maestria nos prender na leitura. Percebo que escreve com amor e sentimentos nobres. Boa leitura a todos! Eu contemplei com cada parágrafo lido. Parabéns para a senhora Vitória e também a revista Família Cristã.

  5. É com imensa alegria e gratidão que a Paulinas Livraria (São Luís-MA), agradece ao colaborador Euzimar Jesus Rosa pelo excelente trabalho neste relato de experiência e memória com a nossa querida Dona Vitorinha! Uma grande mulher de fé, espiritualidade, admiradora de Paulinas e de suma importância à Igreja no Maranhão, em destaque à Arquidiocese de São Luís. Nossos agradecimentos por tanto carinho, amor e dedicação que aos longos dos anos a Dona Vitória vem dedicando a esta Missão Paulinas em terras maranhenses. Parabéns a todos nessa tessitura narrativa carregada de puro afeto e benquerer!

    • A alegria é imensa em poder celebrar este momento juntamente com essa pessoa tão especial e amável. Dona vitorinha e nos ensina muito com sua experiência e testemunho de vida. Ao levar a comunhão para dona vitorinha, me sinto muito feliz e comprindo meu ministério a cada dia com atenção responsabilidade e amor pela eucaristia. Só tenho agradecer a Paulinas livraria empresa a qual trabalho com muita alegria pela oportunidade de poder levar a comunhão para uma cliente acidua e fiel.agradeco imensamente pela oportunidade a irmã Kelly Cristina a minha gerente naquela ocasião de necessidade a qual da anavitória se encontrava e também agradeço de um modo especial ainda hoje a minha nova gerente irmã Janete leal pela possibilidade de me manter ainda firme nessa missão de continuar levando a comunhão a. essa tão querida e especial amiga

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada