Quais as semelhanças entre Congada e Folia dos Reis?

Artigos Recentes

Dois anos sem reparação das famílias em Brumadinho

Comunidades inteiramente atingidas pelo rompimento da barragem continuam sendo violadas em seus direitos...

Jovens mantêm esperança no trabalho

“Empreender não foi uma falta de opção, foi uma escolha. Saímos dos nossos empregos e abrimos mão de uma carreira para empreender...

Uma expressão cultural e religiosa que envolve o canto, a dança e o teatro

Por Carmen Maria Pulga

Como vimos no texto anterior, a manifestação folclórica de Folia dos Reis chegou ao Brasil pela colonização, através de tradições religiosas e culturais dos povos europeus. A história da Congada segue um percurso semelhante, mas difere na origem – vem do continente africano, trazida pelos negros no período da escravidão.

O termo Congada ou Congado deriva do verbo congar, dançar em grupos formando cordões, especialmente no carnaval, cujo padrão coreográfico repetitivo consiste em deslocarem-se os dançantes três passos e, em seguida, sacudirem o corpo inteiro.

Congada mescla cultos católicos com africanos, num movimento sincrético. É uma dança que representa a coroação do rei do Congo, acompanhado de um cortejo compassado, cavalgadas, levantamento de mastros e música. Passou a fazer parte de nossa cultura desde que os primeiros homens e mulheres do Congo e de Angola, chamados de bantus (banto), foram deportados para nosso País, a fim de trabalhar nas plantações de cana-de-açúcar. Cerca de 5 milhões de africanos foram trazidos da África para cá, e os bantus eram a maioria deles. Boa parte de nossa religiosidade popular se estabeleceu com base na cultura bantu, e não é por acaso que uma das mais importantes festas dessa religiosidade se chama Congada.

Festa celebrada de norte a sul do Brasil

Na definição do antropólogo Carlos Rodrigues Brandão, a Congada é uma criação popular, coletivizada, persistente, tradicional e reproduzida através dos sistemas comunitários de transmissão do saber.

A Congada é celebrada de norte a sul do Brasil: Congada de Catalão (Catalão-GO), Congado Reinado de Nossa Senhora e Santa Efigênia (Ouro Preto-MG), Maçambique (Osório-RS), Congada da Lapa (Lapa-PR) e festa da Congada (Uberlândia-MG). Não há um dia fixo, mas os meses de maio e outubro, consagrados a Nossa Senhora, costumam ser escolhidos para a festa. Em algumas partes do Brasil, a Congada é celebrada em dezembro.

Na cidade de Uberlândia (MG), a Congada mistura as festas trazidas pelos negros com a religiosidade cristã praticada na colônia. Ao chegar à colônia, os negros se identificaram imediatamente com os santos negros, como São Benedito, o Africano, Santa Efigênia, uma princesa etíope, e Nossa Senhora do Rosário. Todos esses santos foram identificados com os ancestrais africanos e eram homenageados com cultos e igrejas construídas com o trabalho e o dinheiro de alforriados e escravizados. Outra figura saudada na festa é a da princesa Isabel, por seu papel na libertação dos escravos. Cruza-se, assim, a tradição de uma figura da monarquia africana com a brasileira.

Uma Congada pode ter de 50 a 200 componentes e muitos personagens. Os grupos são repartidos em dois: a Congada de Cima e a Congada de Baixo. Na Congada de Cima, temos Rei, Rainha, Príncipes, Cacique, Fidalgos ou Vassalos e crianças, que são chamadas de conguinhos. Na Congada de Baixo, temos o Embaixador e o Secretário, o cortejo e os guerreiros. Cada região vai acrescentando elementos de suas tradições e vivências.

O cortejo é o momento que define o início da celebração nas ruas, sempre após a missa realizada dentro da igreja em homenagem ao santo específico; esse momento é marcado pelo encontro da corte e dos ternos nas ruas ou praça onde será realizada a homenagem ao santo padroeiro.

Uma manifestação plural

Os instrumentos musicais utilizados são a cuíca, a caixa, o pandeiro, o reco-reco, o cavaquinho, a viola, o violão, o tarol, o tamborim, o ganzá, a sanfona, rabeca (ou o violino) ou acordeom. Esses instrumentos acompanham o canto, que é entoado com letras em português, mas também com palavras do idioma bantu. As letras mencionam o sofrimento dos escravos e também a esperança, a redenção, e a invocação dos santos para que a vida desse povo pudesse mudar.

Vários adornos, como chapéus, espadas e lenços, fazem parte dos trajes, além de uma série de fitas e bandeiras coloridas que trazem a imagem dos santos e identificam os diferentes grupos do cortejo.

Nesse sentido, podemos interpretar a Congada como prática social, transmitida de forma indireta e construída a partir de apropriações que obedecem aos interesses dos grupos (irmandades), para os quais essa manifestação tem valor simbólico. Uma manifestação plural que diz muito a respeito da cultura forjada pelo negro escravizado no Brasil colonial e que, portanto, merece ser preservada e difundida, respeitando sua heterogeneidade e riqueza cultural.

As Congadas, de maneira semelhante às festas do Divino ou Folia de Reis, popularizaram-se no País e se espalharam por todo o território, constituindo, apesar de seus elementos básicos comuns, uma variedade de símbolos e processos rituais que as aproximam e distanciam simbolicamente umas das outras.

Carmen Maria Pulga é filósofa, teóloga, mestra em Novas Tecnologias da Comunicação e autora do livro A pétala, da Paulinas Editora. Gosta de arte, desde a culinária até a sucata, e ama ler os autores mais ecléticos.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada