Ó Deus! Onde estás que não respondes?

Artigos Recentes

A maturidade que a vida nos concede quando vivenciamos situações-limite

Por Rafael Solano

Castro Alves, no seu poema dedicado à África, assim o plasmou: “Onde estás, Senhor, que não respondes”. A maturidade com a qual a vida nos presenteia nos leva a fazer perguntas definitivas ao próprio Deus. Não existe de fato nenhuma vocação narrada na Bíblia na qual aquele que recebeu o chamado não tenha encarado docemente Deus. Moisés, Samuel, Davi, Maria. 

A pandemia tem-nos conduzido a todos pelo caminho das perguntas existenciais, e isso é inevitável. Percorramos juntos um pequeno caminho que pode nos levar a vivenciar mais de perto a presença constante do Deus que sempre está conosco e, por vezes, em certas horas parece que não responde.

Situação-limite

Durante muito tempo, diversas correntes de pensamento apresentaram a “indiferença” como um estado a ser procurado, quando se trata de entender o sofrimento e a infelicidade. Schopenhauer, um dos filósofos que teve maior incidência neste campo, sempre proclamou o ser indiferente como o maior estado de “estabilidade” emocional e psíquica do ser humano. Talvez para ele, como para tantos outros, as situações-limite não devem levar a perder o controle da vida. Quando alguém minimiza ou escandalosamente se vale dela até para negar a sua existência, torna-se indiferente e até cínico.

A situação-limite é real para todos nós e aí, nessa hora, quando tudo parece que vai sucumbir ou desaparecer, é que sabemos quão sensíveis somos. Ser sensível não é o mesmo que ser susceptível. Os susceptíveis são pessoas tóxicas que vivem uma falsa compaixão. O sensível é capaz de entender que, diante de uma situação-limite, deve agir com prontidão e, sobretudo, de forma coerente e compassiva. Todos aqueles que se sensibilizam percebem de imediato que as suas vidas mudam. Uma pessoa sensível descobre que a solidariedade é muito mais do que um gesto; é uma presença. 

Onipotência divina ou silêncio presente

Os padres e madres do deserto nos ensinaram que a onipotência de Deus está no silêncio. Deus “não fala bonito”, como costumamos dizer. Sua grandeza e esplendor se manifestam no silêncio. No livro Os Padres do Deserto: palavras do silêncio, podemos descobrir que: “Os Padres do Deserto ensinam-nos a introduzir o silêncio dentro da palavra e a traduzir em poucas palavras esse enigma que nos habita e escapa. De muitos deles nem o nome ficou; são simplesmente nomeados como ‘Anciãos’ ou ‘Pais’, porque nada quiseram ser nem ter, a não ser ‘filhos’ e ‘irmãos’ que partilham da mesma sede de Deus”. Estamos acostumados a pensar na onipotência de Deus da forma como fazemos diariamente na sociedade do espetáculo. Luzes e mais luzes, holofotes e mais holofotes, fãs e mais fãs… Pensamos que a sua onipotência se concretiza na mágica e solene apresentação de um Deus que de um momento para outro tira a doença, os males, a pobreza e, com um passe de vara especial que transforma, faz com que todos sejam felizes.

Ó Deus, onde estás
Cathopic.com

Como nos custa fazer silêncio e ouvir a onipotência de Deus! O teólogo Urs Von Balthasar me ajuda cada vez mais a compreender este presente nas horas difíceis, quando, na sua obra Teodramática, exprime esta realidade: “Um Deus puramente transcendente (no caso de que pudesse existir semelhante Deus) seria um mistério abstrato, puramente negativo. Mas um Deus que em sua transcendência pudesse ser também imanente, é um mistério concreto e positivo: na medida em que se nos aproxima, começamos a reconhecer o quão elevado está sobre nós, e na medida em que se nos revela em verdade, começamos a compreender o incompreensível que É”. Saber que o nosso Deus se fez um de nós, que como nós sofreu e padeceu, nos aproxima muito mais da sua onipotência do que se soubéssemos que em um segundo tiraria da nossa vista todos os males. 

Presença silenciosa e amorosa

Esta premissa nos faz devedores da nossa indigência, da nossa miséria e da nossa sublime condição humana. A sua onipotência está na sua proximidade; aliás, na sua presença, mesmo que pareça que está em silêncio. 

Queremos palavras e mais palavras, frases e mais frases, e pensamos que com elas já tenhamos todas as respostas, quando, na verdade, só podemos saber que Deus está conosco na sua presença silenciosa e amorosa.

Em tempos como os que estamos vivendo, o silêncio nos alimenta de tal forma que, naquele que para muitos foi um isolamento, o silêncio o preencheu de tal maneira que se ouviram vozes que nunca tinham sido ouvidas ou palavras que nunca tinham sido emitidas. Sem dúvida, Deus tem falado muito para a humanidade, para mim e para você; ouvir e descobrir o que Ele diz é nossa missão, mesmo nas horas mais duras, como estas que vivemos, que se estendem e prolongam na saída de cada variante e no aumento dos casos. Ele sempre nos falará. Vamos escutar com atenção a sua resposta.

Rafael Solano é sacerdote da Arquidiocese de Londrina. PhD em Teologia Moral pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada