Ministério do Catequista

Artigos Recentes

Novo ministério reforça a responsabilidade daqueles cuja missão é transmitir as verdades da fé cristã em nome da Igreja 

Por Maria Vanderlane de Araújo 

No dia 10 de maio de 2021, o Papa Francisco lançou a Carta Apostólica em forma de Motu Proprio Antiquum Ministerium, na qual estabelece o Ministério do Catequista. O anúncio do Motu Proprio foi recebido com grande júbilo e surpresa por alguns; para outros, porém, a Igreja tardou em reconhecer a importante missão do catequista no âmbito eclesial. 

A Instituição do Ministério do Catequista pelo Papa Francisco, contudo, não significa apenas um destaque ou um simples reconhecimento à missão do catequista, como também reforça a responsabilidade dos homens e das mulheres para esse serviço e da própria Igreja, que deverá prepará-los para essa missão.

Um breve relato

Ana Júlia, uma catequista do Distrito Federal, relata que há quinze anos é catequista e sempre se dedicou com amor e cuidado à missão na catequese. Percebe, porém, que nos últimos anos a catequese mudou muito, deixou de ser apenas um tempo de preparação para os sacramentos, exigindo, dessa forma, uma adequada formação para tal missão. Recorda que, certa vez, participou de uma formação para catequistas e o assessor falava sobre o Ritual da Iniciação Cristã dos Adultos (RICA) e sobre os tempos e as etapas do catecumenato. Ela, então, sentiu-se incomodada, pois, com tanto tempo atuando na catequese, ainda não conhecia o que seria o RICA, e muito menos o que são querigma e mistagogia. Daí se deu conta de que não basta ter apenas boa vontade para ser catequista; no atual contexto, é preciso um conhecimento aprofundado do novo que está acontecendo na catequese.

Com a proclamação do Papa Francisco sobre o Ministério do Catequista, seu coração se entristeceu, pois reconhece o quanto precisa estar bem preparada para assumir esse ministério. Comenta: “Jamais serei uma ministra da catequese”; “O que muda?”; “Quem poderá ser um ministro da catequese?”; “Quais são as exigências necessárias para assumir esse ministério?”. Mesmo com o coração aflito, sua abertura ao novo e às exigências que se impõem a essa missão são esperançosas.

Catequese diante de novos cenários

É evidente que a catequese, nos dias atuais, se encontra diante de novos desafios e em contextos complexos e plurais, os quais exigem um olhar mais profundo e sábio da realidade por parte dos catequistas. Com o lançamento do novo Diretório para a Catequese, em 2020, sob a competência do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, o documento posiciona e reforça a missão da catequese na ótica da evangelização. Segundo ele, a catequese deve assumir papel fundamental no primeiro anúncio ou querigma, ocupar-se com a atividade evangelizadora da Igreja e, ainda, recuperar urgentemente o ministério do catequista na comunidade cristã. Portanto, é preciso entender e acolher a proclamação do Ministério do Catequista a partir dessa renovada caminhada da catequese. 

catequese
Pixabay.com

A carta apostólica apresenta um texto simples e curto: primeiramente, aborda o sentido do ministério nas origens, com uma fundamentação bíblica; depois, sua evolução ao longo da história da Igreja e, por fim, a instituição do Ministério laical do catequista.

Um olhar sobre o ministério nas origens

A Antiquum Ministerium nos relembra que o ministério dos leigos e das leigas não é uma novidade introduzida na vida eclesial, a partir do Concílio Vaticano II. O que o Vaticano II apresentou como novidade é que os leigos podem assumir verdadeiros e próprios ministérios, permanecendo leigos. Dessa forma, a Igreja conciliar “compreendeu, com renovada consciência, a importância do compromisso do laicado na obra de evangelização” (AM, n. 4).

Ao lançarmos nosso olhar para a Igreja antiga, constatamos que os leigos e as leigas já assumiam verdadeiros ministérios. Esses ministérios permitiram à Igreja nascente consolidar-se, crescer e expandir-se. Na leitura do Novo Testamento, principalmente nas cartas paulinas, podemos verificar a diversidade de carismas, serviços e ministérios. Uma passagem clássica de 1Cor 12,4-31 afirma a ministerialidade vivida pela comunidade cristã. O cristianismo não poderia ter-se difundido tão rapidamente e alcançado muitos adeptos sem o testemunho e o serviço convicto e ardoroso dos homens e das mulheres. 

Ministério do Catequista – um serviço à Palavra

Com a renovada consciência do Concílio Vaticano II sobre a importância dos leigos e leigas atuantes na Igreja, o debate acerca do Ministério do Catequista tem sido evidenciado. O Diretório Nacional de Catequese, publicado em 2006, por exemplo, enfatiza que a catequese faz parte do ministério da Palavra e do profetismo eclesial, e, portanto, o catequista é um autêntico profeta, pois pronuncia a Palavra de Deus na força do Espírito Santo (cf. n. 39).

A Antiquum ministerium reconhece que a missão do catequista é uma vocação: “o catequista é chamado, antes de tudo, a exprimir a sua competência no serviço pastoral de transmissão da fé, que se desenvolve nas suas diferentes etapas: desde o primeiro anúncio, que introduz no querigma, passando pela instrução, que torna consciente da vida nova em Cristo e prepara de modo particular para os Sacramentos da Iniciação Cristã, até a formação permanente” (AM, n. 6). Ao reconhecer tal vocação, a Igreja afirma de maneira solene a importância eclesial do Ministério do Catequista.

Instituição do Ministério

Documento ministério do catequista

Quando os ministros recebem da Igreja, a partir de um discernimento, uma missão específica, evidencia-se o rito de instituição. Esse serviço requer estabilidade e preparação adequada para o bom exercício da missão. A carta apostólica destaca que, “ao ministério instituído de Catequista, sejam chamados homens e mulheres de fé profunda e maturidade humana, que tenham uma participação ativa na vida da comunidade cristã, sejam capazes de acolhimento, generosidade e vida de comunhão fraterna, recebam a devida formação bíblica, teológica, pastoral e pedagógica, para ser solícitos comunicadores da verdade da fé, e tenham já uma madura experiência prévia de catequese” (AM, n. 8). O ministério instituído dá ao ministro, portanto, autoridade para transmitir as verdades da fé cristã em nome da Igreja. 

O documento finaliza proclamando a instituição do Ministério laical do Catequista; informa que, em breve, a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos providenciará o Rito de Instituição do Ministério laical do Catequista e convida as Conferências Episcopais para que elaborem um itinerário formativo à pessoas chamadas a esse ministério.

Sem dúvida, a alegre notícia do Motu proprio Antiquum Ministerium é um marco para ação evangelizadora da Igreja e para a história da catequese. O ministério instituído fortalecerá a missão dos catequistas e qualificará o processo de formação dos discípulos missionários de Jesus Cristo, no itinerário da Iniciação à Vida Cristã.

Maria Vanderlane de Araújo é religiosa, pertence à congregação das Irmãs Paulinas. Peregrina da fé. Gosta de estar com os catequistas e aprender com eles a vivência da fé cristã.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada