“Senhor, tu sabes que eu te amo!”

Artigos Recentes

3º Domingo da Páscoa

Evangelho: João 21,1-19

Por Pe. Guilherme Schmidt

Amadas famílias! Que a graça de Deus, nosso Pai, a alegria do Cristo Ressuscitado e a luz do Espírito Santo estejam em nossos corações!

Ao iniciarmos o mês de maio, dedicado à devoção mariana, confiamos nossas famílias aos cuidados e carinhos de Maria, nossa Mãe, para que nos impulsione na vivência do amor à luz do amor de Deus!

Mês de maio
Pexels/Uskalego 51524

O Evangelho deste terceiro domingo da Páscoa nos mostra Jesus Ressuscitado aparecendo pela terceira vez aos seus discípulos, desmotivados após uma noite de pesca infrutífera. Jesus os motiva a lançar as redes para o outro lado, e acontece a pesca abundante. Após esse grande sinal, Jesus se alimenta junto aos amigos e questiona Pedro por três vezes sobre seu amor por Ele, pedindo-lhe que cuide do rebanho, isto é, da Igreja. 

Que, em família, possamos reconhecer sempre a presença de Jesus, sem nos deixar vencer pelos cansaços de nossos esforços e sem desistir de fazer o amor render em nosso lar! 

A barca da nossa família

Uma noite na barca e os discípulos não pescaram nada, até que amanheceu e apareceu Jesus. A imagem da barca pode nos ajudar a refletir sobre nossa vida familiar. Aliás, na barca da nossa casa, que horas são? Já anoiteceu na escuridão do desânimo, da impaciência, do desalento e da indiferença? Ou já está amanhecendo, com nossos corações acolhendo a luz do diálogo, do perdão, do cuidado e do afeto? 

Barca
Pexels/Maximilian Münzl 3853883

Tantas vezes adentramos na noite de um casamento marcado pelo egoísmo, no qual os corações se distanciam, dando lugar a palavras e atitudes agressivas, ou ao silêncio que mostra indiferença. Outras vezes, a noite sem pesca é a relação dos pais com os filhos, marcada por turbulências, por falta de carinho, de paciência e de incentivo, causando a noite do afastamento dos filhos e o desejo de pular fora dessa barca e navegar em outros mares. Ainda há a noite das enfermidades, a noite da morte, do luto, da saudade e do vazio que ocupa lugar na barca da nossa família.

Em cada hora de escuridão, quando não vemos nossos esforços resultarem em nada, estejamos atentos ao amanhecer, ao novo de Deus! Deixemos que Jesus nos mostre a direção! Ele também nos convida a jogar as redes para o outro lado, a não desistir, a não deixar de amar uns aos outros, sobretudo em meio às adversidades.

Que cada família navegue segura em sua barca com a presença de Jesus e seja abundante a pesca dos nossos afetos e vínculos familiares! 

Família, tu me amas? 

Jesus pergunta três vezes: “Simão, filho de João, tu me amas?”. A insistência de Jesus com o discípulo, a quem o Senhor irá confiar o cuidado de Sua Igreja, ecoa até o coração das nossas famílias. Ele continua esperando a resposta, pois confia a cada família a missão de cuidar e apascentar a Igreja doméstica, configurada na vivência da fé em cada lar. 

Hoje, diante de tantas ideias contrárias ao matrimônio, à gestação, à família, aos valores cristãos; diante de tantas propostas favoráveis ao divórcio, ao aborto, à traição e à promiscuidade sexual, o Senhor continua perguntando a nós, chamados à responsabilidade de preservar o tesouro do coração de Deus que é a vida familiar: “Família, tu me amas?”. 

Família
Freepik.com/ Medium Shot Happy Christian Families

Como podemos responder ao Senhor, que nos conclama a defender e cuidar deste bem tão precioso? Como podemos realmente dizer a Cristo que O amamos, sem nos deixar contaminar pela atual cultura do descompromisso afetivo, da morte dos inocentes e do amor descartável? 

Que ressoe em cada uma de nossas famílias a firme resposta de Pedro: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo!”.

Nós amamos Jesus em família, crescendo na unidade, na oração, na meditação da Palavra, na procura dos Sacramentos, na vida comunitária, no testemunho da caridade fraterna e no esforço de sermos famílias cada vez mais abertas à vida, ao amor e à santidade! Em família, nós amamos Jesus, porque nos queremos bem e nos ajudamos mutuamente, cuidando uns dos outros, cuidando para que a Igreja de Cristo aconteça dentro e a partir de cada coração e de cada lar! 

Deus abençoe as nossas famílias!

Padre Guilherme Schmidt é pároco da Paróquia São Patrício, em Itaqui (RS). Graduado em Filosofia e Teologia, pós-graduado em Bioética e Pastoral da Saúde e em Mediação e Acompanhamento Pastoral de Famílias. Gosta de chimarrão, de ler e de escrever como forma de estar em paz e de expressar seus sentimentos. 

1 COMENTÁRIO

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada