“Eu e o Pai somos um!”

Artigos Recentes

4º Domingo da Páscoa

Evangelho: João 10,27-30

Por Pe. Guilherme Schmidt

Amadas famílias! Reunidos em torno da Palavra, pedimos que o Senhor nos ilumine e nos conduza em nossa oração e vivência familiar! Que Nossa Senhora seja também companheira nesta hora em que nos dispomos, como ela, a acolher e viver a Palavra de Deus em nossos lares!

Eu e o Pai somos um
Pixabay.com

No Evangelho do domingo passado, refletimos sobre a presença de Jesus Ressuscitado que move nossas famílias na vivência do amor incansável, convidando-nos a nunca desistir de lançar as redes ao encontro do outro.

Neste quarto domingo da Páscoa, em uma breve passagem do Evangelho, Jesus fala sobre as suas ovelhas, que o escutam e o seguem, e a quem Ele concede a vida eterna em unidade com o Pai: “Eu e o Pai somos um”.

Que, em família, possamos escutar e conhecer verdadeiramente uns aos outros, fortalecendo a comunhão entre nós e testemunhando a unidade com Deus pela nossa vivência de fé! 

Nossas atitudes em família

O vínculo de Jesus com suas ovelhas, isto é, com o seu povo, é marcado por atitudes recíprocas que dão sentido a essa relação. São elas: escutar, conhecer, seguir e dar a vida.

Somos capazes de nos escutar uns aos outros? Conhecemo-nos verdadeiramente ou nos ocupamos demais com vínculos externos e superficiais, a ponto de não sabermos ao certo como são as pessoas que partilham conosco da mesma casa? A quem nós seguimos em família, aos modismos do mundo ou aos ensinamentos da Palavra de Deus? Estamos dando a vida uns aos outros em nosso lar, ou nossas atitudes matam o que há no coração de cada um?

Há muitas famílias marcadas pela gritaria violenta ou pelo silêncio da indiferença. Tantos casais não se escutam e não dialogam, tantos filhos não conseguem expressar o que sentem, pois os pais estão sempre ocupados ou sinceramente desinteressados. Há tantos idosos e enfermos padecendo por não poder expressar-se, tendo pessoas ao redor que não conseguem ouvir através dos gestos, do semblante e das lágrimas. O que tem acontecido com nossas famílias? Em quantos de nossos lares as pessoas vivem como se fossem estranhas? Quando foi que se perdeu a capacidade de se colocar no lugar do outro?

ESCUTA
Feepik.com

Que em família, movidos pela fé e pelo amor que Jesus nos ensina, sejamos capazes de dar a vida pelo bem de todos, ouvindo, compreendendo, acolhendo e fortalecendo a proximidade mútua em gestos de amor recíproco!

Em família, somos um só coração! 

Ao manifestar “Eu e o Pai somos um”, Jesus expressa o vínculo da unidade com o Pai, demonstrando que não faz nada sozinho e por conta própria. Há uma relação, uma abertura, uma partilha. Há também uma colaboração mútua, um compromisso e uma responsabilidade assumida dos dois lados. Assim somos chamados a viver em família, caminhando juntos em uma via de mão dupla.

Família
Freepik.com

A cultura do tempo presente, fomentada, sobretudo, pelas redes sociais, pelas mídias e pela tecnologia cada vez mais futurista, tem favorecido o crescimento de uma mentalidade egoísta, egocêntrica, indiferente e individualista, atingindo, sobremaneira, as gerações mais jovens. Isso afeta negativamente a vida das famílias, uma vez que cada lar se configura como um ambiente de convívio de pessoas diferentes, gerando a necessidade constante de se ajudar mutuamente, o que nem sempre é possível, devido à correria do dia a dia e aos interesses pessoais que se impõem em relação ao bem comum.

Entre ajuda
Pixabay.com

Como Igreja, percebemos que, a cada dia, se celebram menos casamentos e acontecem mais divórcios, e isso vem como consequência dessa mentalidade egoísta e egocêntrica, quando as pessoas se centram apenas em seus interesses, vantagens e vontades.

Olhando para esse contexto, como famílias cristãs, somos chamados a superar, em nosso meio familiar, todo tipo de egoísmo e individualismo. Se vivemos uns com os outros, esforcemo-nos para sermos um só coração, planejando juntos, dividindo as tarefas da casa, acolhendo a opinião do outro, cada um servindo no que é possível para o bem de todos. Esse será sempre um fiel e fecundo testemunho da nossa fé, comunhão e amor!

Deus abençoe as nossas famílias!

Padre Guilherme Schmidt é pároco da Paróquia São Patrício, em Itaqui (RS). Graduado em Filosofia e Teologia, pós-graduado em Bioética e Pastoral da Saúde e em Mediação e Acompanhamento Pastoral de Famílias. Gosta de chimarrão, de ler e de escrever como forma de estar em paz e de expressar seus sentimentos.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada