Espiritualidade paulina, uma opção de vida para nosso tempo

Artigos Recentes

O ser humano é desafiado a preencher o vazio que muitas vezes abate sua vida. O único caminho eficaz nessa busca é a espiritualidade

Por Matilde Alves

Es-pi-ri-tu-a-li-da-de… es-pí-ri-to… es-pi-ri-tual… Es-pí-ri-to San-to… Ser espiritual… viver uma espiritualidade… espiritualidade espiritana… espiritualidade hoje… espiritualidade cristã… espiritualidade inaciana… espiritualidade paulina… espiritualidade franciscana… cristãs e não cristãs… católicas… espiritualismo…

Espiritualidade, seja ela católica, espiritualista, cristã ou não, é a expressão da busca de sentido que cada pessoa faz e que a leva à própria realização humana.

Na Igreja Católica, muitos santos e, sobretudo, os santos fundadores das Ordens, Congregações e Institutos Religiosos desenharam para sua obra uma espiritualidade que define e completa seu carisma apostólico na Igreja, onde Jesus Cristo é o centro e o sentido único de sua vida.

“Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”

Jesus Mestre Caminho Verdade e Vida
Jesus Mestre Caminho, Verdade e Vida. Foto: Acervo Paulinas

Propomos a você refletir sobre uma espiritualidade cristã, elaborada e vivida desde o início do século XX, por homens e mulheres, consagrados e leigos, à luz do “modo de ser” do Apóstolo Paulo, que, a partir do seu encontro com Jesus, procurou dar novo sentido à sua vida e trabalhar por um mundo mais humano e mais justo, inspirando-se em Jesus de Nazaré, o divino Mestre, Caminho, Verdade e Vida.

Disse Victor Frankl, em 1989: “Em nossos dias, um número cada vez maior de indivíduos dispõem de recursos para viver, mas não de um sentido pelo qual viver”.

O ser humano é desafiado a preencher o vazio que muitas vezes abate sua vida. A riqueza, o luxo, o avanço da ciência e da tecnologia, e até mesmo a abundância de bens e de conforto, não são capazes de preencher esse vazio, que é uma manifestação genuína da realidade humana. O único caminho possível e eficaz nessa busca é a espiritualidade.

É pela dimensão espiritual que todo ser humano torna-se capaz de sair de si mesmo, o que lhe abre a porta do coração, onde se encontra a única realidade plenamente concreta, Deus.

A espiritualidade de Jesus consistia num “modo de ser” fiel à obediência radical ao Pai e à entrega incansável às pessoas e a sua libertação: “O Espírito do Senhor está sobre mim, disse, porque ele me ungiu. Ele me enviou para anunciar a Boa-Nova aos pobres; para proclamar aos cativos a liberdade, para proclamar um ano favorável da parte do Senhor” (cf. Lc 4,18-19).

Jesus levou sua missão até o martírio numa cruz, consequência de sua fidelidade ao projeto que Deus Pai lhe confiou. Sua vida, no entanto, não terminou no madeiro. Pela ressurreição, continua vivo e presente na história e na vida de todos os que se abrem ao seu Espírito e ao seu Evangelho.

Até que Cristo viva em mim

Apóstolo São Paulo
Apóstolo São Paulo. Foto: Acervo Paulinas

Nos últimos dois mil anos de história, muitas pessoas fizeram da Espiritualidade cristã um “estilo de vida”. Dentre essas, está o Apóstolo Paulo, que encontrou a razão e o sentido de sua vida no seguimento de Jesus.

Assumiu no cristianismo uma missão impulsionada por uma paixão indescritível pela pessoa e pela mensagem de Jesus Cristo. Arrastou consigo pessoas. Viveu uma espiritualidade profunda, que marcou seu modo de ser e de agir, e que até os nossos tempos continua válida e conquistando seguidores para esta Espiritualidade: Eu vivo, mas não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim. A vida que agora vivo, eu a vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim” (cf. Gl 2,20).

Quem escolhe viver a Espiritualidade Paulina, busca viver fielmente o Evangelho de Jesus Cristo Caminho, Verdade e Vida, no espírito e segundo o ensinamento de São Paulo Apóstolo, alimentado pela Palavra de Deus e pela Eucaristia. Sua meta será como para Paulo: Até que Cristo viva em mim.

Quem escolhe viver a Espiritualidade Paulina, busca conhecer profundamente o Evangelho e as Cartas de São Paulo, assumindo, então, o projeto de Jesus e de Paulo: viver entre os irmãos a compaixão, a misericórdia, a fraternidade universal, a partilha e a fidelidade profética.

Isso é possível se estivermos embebidos da experiência de Jesus, que se revela na história e nos concede a capacidade de moldá-la em nossa realidade, de acordo com “o que ouvimos, o que vimos com nossos olhos, o que contemplamos e que nossas mãos apalparam da Palavra da Vida” (cf. 1Jo 1,1).

A espiritualidade cristã, como seguimento de Jesus Cristo, nos passos do Apóstolo Paulo, inclui o sonho de que um mundo diferente é possível. No seguimento de Cristo, Paulo encontrou a felicidade na sua missão: “Anunciar o Evangelho, afirmou, não é título de glória para mim; pelo contrário, é uma necessidade que me foi imposta. Ai de mim se eu não anunciar o Evangelho!”(cf. 1Cor 9,16).

Espiritualidade paulina x discípulo missionário

É útil, pois, recordar, como ensinava o Bem-aventurado Tiago Alberione, Fundador da Família Paulina e pioneiro em viver a Espiritualidade Paulina, que seguir uma espiritualidade cristã não significa restringir-se à piedade, à devoção. Assumir a Espiritualidade Paulina é partir, sim, da piedade, de uma vida de oração e de união com Deus, mas estender-se à vida apostólica, ao modo de ser discípulo missionário, porque o fruto da vida espiritual é proporcional à missão: apresentar Jesus Cristo Caminho, Verdade e Vida a todas as pessoas, pela sua vida, pelo seu exemplo, pelo seu compromisso na sua comunidade eclesial, aproximando as pessoas sempre mais de Jesus.

Aqui está o ponto de chegada da Espiritualidade Paulina: chamada a manter e marcar profundamente, por si mesma, a missão de Jesus, que juntamente com a santidade das pessoas é o objetivo do seguimento de Jesus. A espiritualidade deve necessariamente tornar-se anúncio, comunicação de Jesus.

Esse foi sempre o anseio de Padre Tiago Alberione: mostrar que Cristo é verdadeiramente o centro da história, o Único Mestre. Somente Ele é a Palavra de Deus para nós. É Ele quem se aproxima, é Ele quem nos chama, é a Ele que devemos seguir.

Viver Cristo como o compreendeu, o viveu e o comunicou São Paulo. Cristo é para nós o Caminho, a Verdade e a Vida, o centro unificador no qual todo homem e toda a história encontram plena realização.

Irmã Aparecida Matilde Alves pertence à Congregação das Irmãs Paulinas – apóstolas da comunicação. É autora dos livros: Deus me ama muito, Uma vida pelo Evangelho, Tudo é obra de Deus, Maria de todos os povos, História e novena: Nossa Senhora da Saúde – Socorro dos enfermos, Sagrado Coração de Jesus – Salvação dos que esperam em vós, Nossa Senhora das Dores, Santa Bárbara, entre outros, todos publicados pela Paulinas Editora.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada