Celebração, descanso e equilíbrio

Artigos Recentes

É fundamental não se descuidar da saúde, distanciando-se o mínimo possível do hábitos cotidianos

Por Aline Braga

“Pé quente, cabeça fria!” O trecho da música icônica dos tropicalistas “Doces Bárbaros” pode ser tomado como um adágio e é muito propício para os períodos que antecedem as festas de fim de ano e as férias de verão. Tempo de celebração, reunião e partilha, mas também de reflexão, novos planos e, claro, de descanso. Boa parte das pessoas que escolhem janeiro como mês de refúgio põe o pé na estrada, seja para visitar familiares, retornar à cidade natal, viajar para dentro e para fora do país e também, porque não, para redescobrir a própria cidade, fazendo atividades de lazer que o cotidiano muitas vezes não comporta.

Esses períodos são fundamentais para manter a cabeça leve, no lugar, preparada para iniciar o novo ano que já bate à porta. Os dias tomam ares menos pesados e há maior liberdade para tudo, inclusive para “pular” aquelas orientações que recebemos dos profissionais de saúde, as quais, de repente, parecem ser facultativas, e é aí que a cabeça pode ficar quente!

Os frutos da constância

Quando o assunto é saúde, há inúmeras evidências sobre o fator benéfico de se ter uma rotina, um conjunto disciplinado, em maior ou menor medida, de atividades e hábitos relacionados à saúde e ao bem-estar. A constância rende frutos em quantidade e qualidade, e não há como negar que, com o avançar da idade, as alterações de rotina são mais sensíveis e afetam mais os resultados obtidos até então.

É fundamental que os períodos de alteração de rotina sejam encarados com alegria e celebração, mas igualmente aproveitados sem extremos, com ponderação e harmonia; afinal, a vida segue após as celebrações e há muito a viver pela frente.

Se não puder fazer tudo, faça tudo o que puder

Na oportunidade de vivenciar festividades e férias na casa de pessoas queridas e em viagens, é fundamental não se descuidar de cuidados básicos com a saúde, de modo que estes se distanciem o mínimo possível do cotidiano. Certamente não será possível fazer tudo como de hábito, e a ideia não é essa; afinal, a alteração de rotina é uma característica dessas vivências e não deve ser encarada como uma ameaça aos hábitos, mas como uma eventualidade natural e já prevista. Vale a máxima: na impossibilidade de fazer tudo, faça tudo o que puder.

No caso da alimentação, o principal cuidado é evitar excessos, sobretudo com as bebidas alcoólicas. A alimentação é multifacetada, por isso deve aliar o prazer ao bem-estar, sem esquecer a relação afetiva com as preparações e a descoberta de novos sabores. É natural que as iguarias se multipliquem, seja na ceia, seja naquele destino que tem muitos atrativos gastronômicos, mas é sempre bom pensar em equilíbrio, ponderando as quantidades consumidas e evitando se alimentar em horários muito distantes daqueles praticados no dia a dia. Em programações mais longas, levar um lanchinho na bolsa não desmerece em nada a experiência de lazer.

Descanso
Pixabay.com

Pessoas que têm necessidades nutricionais específicas precisam ter um pouco mais de cuidado, em especial diante de alimentos e preparações novas. É importante conhecer os ingredientes utilizados na receita ou ainda optar por restaurantes destinados à produção de refeições seguras para condições mais restritivas. Pesquisar sobre a preparação que se deseja comer e/ou sobre o destino de viagem é essencial para não ter dias de cabeça quente, quando o desejo é relaxar, descansar e desfrutar.

Por fim, exercitar-se livremente pode ser uma oportunidade para criar novos hábitos a partir de um período de descanso. Nas viagens, aproveite para caminhar, correr, pedalar e apreciar o destino escolhido. Ao visitar familiares, uma caminhada leve também pode ser a ocasião perfeita para colocar o papo em dia.

Em qualquer situação, seja ela cotidiana ou rotineira, a busca pela ponderação e pela harmonia é sempre a melhor opção. Sem extremos de consumo, de rigidez, de desorganização, os dias de cabeça fria se estendem pelo novo ano inteiro.

Aline Braga é nutricionista e especialista em Administração Pública, esfera na qual atua como servidora municipal há oito anos. Gosta de ler, cozinhar e praticar esportes. Na vida se descreve como boba convicta, tal como descreveu Clarice Lispector em sua crônica “Das vantagens de ser bobo”.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada