Deixar tudo por amor a Cristo

Artigos Recentes

28º Domingo do Tempo Comum

Evangelho: Marcos 10,17-30

Por Pe. Guilherme Schmidt

Amadas famílias! Reunidos em torno da Palavra de Deus, queremos fortalecer os dons da fé, da esperança e da caridade que sustentam o nosso lar!

Na liturgia do domingo anterior fomos motivados a superar a dureza do coração e a acolher o Reino de Deus em família, vivendo o carinho e a reciprocidade como formas de testemunhar o amor que nos vincula. Hoje, a Palavra nos convida a termos um coração desprendido e livre para seguir Jesus e testemunhá-Lo em nosso viver.

No evangelho, fica nítido o contraste entre uma pessoa muito rica que tem dificuldade de renunciar às suas posses para seguir a Cristo e os discípulos com sua preocupação vivificada na voz de Pedro: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos”. Jesus garante aos seus que a recompensa por essa disponibilidade será grande e obterão a vida eterna.

Que em família consigamos descobrir a verdadeira riqueza do amor de Deus e desprender nosso coração das coisas supérfluas, a fim de que nosso testemunho cristão seja autêntico e ajude a transformar as realidades!

O tesouro da nossa família

Jesus olha com amor para aquela pessoa rica de bens materiais, mas tão miserável no seu espírito que não consegue se desprender para ajudar aos pobres.

Sintamos o olhar de Jesus sobre nós, o nosso coração, a nossa família, a nossa casa! Ele nos olha com amor, ternura e misericórdia e quer que nos olhemos assim também dentro do nosso lar, que encontremos o olhar e o coração uns dos outros.

Esta cena do evangelho pode dizer muito à nossa vida pessoal e familiar. Do que nós somos ricos? Quais nossos bens mais preciosos? Quais as nossas pobrezas? Do que temos dificuldade de nos desprender para cultivar o verdadeiro amor em família?

Na sociedade cada vez mais consumista e hedonista em que vivemos, muitas coisas se sobrepõem como prioridades em detrimento da família, como o dinheiro e os bens materiais, para os quais dedicamos bastante do nosso tempo e energia.

Há tempo para o trabalho, para a academia, para as festas com amigos, para o futebol, para as compras no shopping. Há muito tempo para as redes sociais, onde conversas e fotos de uma vida que nem sempre é real se tornam o centro do nosso dia a dia. Nos perguntemos: quem são os pobres dentro da nossa casa? Será que os esposos estão com fome de atenção? Os filhos estão com fome de amor e cuidado? Os pais estão com fome de respeito e gratidão?

Acolhendo o apelo de Jesus, vamos desprender o nosso coração e priorizar o tempo juntos, descobrindo nossa família como o grande e verdadeiro tesouro.

Em família, nós te seguimos, Senhor!

Por que e de que forma nós seguimos a Jesus? Os discípulos querem uma recompensa por terem deixado tudo, e Cristo garante que receberão cem vezes mais e a vida eterna. Soa estranho quando lemos no evangelho que tal recompensa será para quem deixar pai, mãe, irmãos e filhos, justamente quando estamos reunidos em família meditando a Palavra!

Coração
Pixabay.com / Vjkombajn

O Senhor quer nos dizer que o maior tesouro é a nossa fé e confiança n’Ele; quer que estejamos abertos à conversão, a mudar o jeito de pensar e viver; nos quer revestidos dos seus sentimentos, manifestando-os em atitudes para com as pessoas do nosso convívio. Assim, a nossa vida em família adquire um sentido novo. Não se trata propriamente de abandonar a casa e as pessoas para seguir Jesus. Trata-se de abrir as portas da casa e do coração para Jesus entrar e permanecer, não como visita rápida, mas como habitante, como o centro do nosso lar e mestre do amor a nos ensinar a viver bem uns com os outros.

Que em nossas casas os sentimentos ruins, as palavras negativas e agressivas, os gestos violentos e opressores, as mágoas e discórdias, a falta de cuidado e de compreensão e todas as coisas que nos machucam sejam deixadas para fora dos corações!

Quando Jesus for tudo em todos, não haverá espaço para guardarmos ressentimentos e, então, poderemos deixar tudo e seguir a Cristo, em família, cada um sendo sinal do amor de Deus na vida do outro.

Deus abençoe as nossas famílias!

Padre Guilherme Schmidt é pároco da Paróquia São Patrício, em Itaqui (RS). Graduado em Filosofia e Teologia, pós-graduado em Bioética e Pastoral da Saúde e em Mediação e Acompanhamento Pastoral de Famílias. Gosta de chimarrão, de ler e de escrever como forma de estar em paz e de expressar seus sentimentos.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada