O projeto de Jesus: o primeiro sinal revelado numa festa de casamento

Artigos Recentes

2º Domingo Do Tempo Comum

Evangelho – João 2,1-11

Por Gisele Canário

O trecho do Evangelho que iremos refletir a partir de agora narra os sinais de Jesus que apontam para algo mais profundo, em que os membros da comunidade joanina podem ver e sentir. Nessa perspectiva, os sinais que Jesus protagoniza encaminham um novo jeito de fazer revelar e identificar o seu projeto.

Não é novidade que o Evangelho de João tem como foco o amor que é capaz de ultrapassar as diversas formas de preconceito. Práticas exclusivas têm sido constantes no seio dessa comunidade. Aqui impera a diversidade de grupos, culturas e mentalidades. Esses grupos são: judeus, discípulos de João Batista, estrangeiros, galileus, doentes, pobres, ricos e samaritanos. Todas essas pessoas foram motivadas a viver uma aliança nova, na qual a justiça e a solidariedade fossem elo do Projeto de Jesus.

A comunidade era constantemente perseguida pelo império romano. Existia forte divergência por parte das autoridades judaicas, e em relação a outras correntes filosóficas e religiosas que faziam parte do cotidiano da comunidade. Em meio a perseguições e sofrimentos é que a comunidade reforçou a necessidade de desenvolver laços fraternos que envolvem o amor e a solidariedade.

Este breve diálogo narrado em Jo 2,1-11 lança luzes sobre o que é mais profundo e edificante para os seguidores de Jesus do que muitas palavras complicadas. Uma espécie de inspiração para o que é decisivo no seguimento de Jesus.

Casamento em Caná da Galileia

O ocorrido em Caná da Galileia é só o início de todos os sinais. É o exímio protótipo dos sinais que Jesus irá operar ao longo de sua vida. No episódio da transformação da água em vinho é o próprio Jesus quem dá a chave para entender esse sinal. As coisas acontecem no cenário da festa de um casamento, o símbolo mais expressivo do amor de uma família que acaba de nascer, uma imagem importante da tradição bíblica para a aliança determinante de Deus para com o ser humano.

Casamento
Pixabay.com

O projeto de Jesus é vivido e ofertado por seus seguidores como em uma festa de casamento, que dá plenitude às festas humanas, quando elas ficam vazias, sem vinho e sem a capacidade de saciar a sede de felicidade. Sem dúvida que o relato oferece algo a mais. Só é possível saborear a água como vinho seguida pelas palavras de Jesus e ser retirada de seis talhas de pedra, utilizadas pelos judeus para suas purificações. A religião apenas da lei, escrita em tábuas de pedra, não existe mais. Esse modelo de religião deve ser libertado através do amor e da vida que Jesus comunica.

Para comunicar o projeto de Jesus e sua força transformadora, só as palavras não são suficientes; são necessários os gestos e sinais concretos. Evangelizar não se pauta apenas em falas, pregações, ensinos, admoestações; em hipótese alguma é julgar, ameaçar ou condenar. Se faz necessário atualizar, com fidelidade fecunda e criadora, os sinais que Jesus fazia para introduzir a alegria que procede do Reino de Deus e sua justiça, fazendo mais feliz a vida desgastante daqueles camponeses.

O significado do vinho

Sem dúvida que um bom vinho é indispensável em uma festa de casamento. Para aquelas pessoas o vinho era o símbolo mais expressivo do amor e da alegria. Como fomenta a tradição: “O vinho alegra o coração”. A noiva o cantava a seu amado em um belo canto de amor: “Teus amores são melhores do que o vinho”. É possível um casamento sem amor e sem alegria? O que se pode celebrar com o coração triste e vazio de amor?

A falta de vinho tem a ver com uma situação triste que será transformada pelo vinho novo trazido por Jesus. Só poderá saboreá-lo aqueles que acreditam no amor gratuito de Deus Pai e vivem animados por um espírito de verdadeira fraternidade.

Gisele Canário é teóloga, licenciada em Geografia, professora do Ensino Superior e da Educação Básica, e, juntamente, mãe da Maria Clara. Encantada e empenhada, por meio do Centro Bíblico Verbo, pelo estudo bíblico produzido em comunidade. O amor pela natureza e pela bicicleta são uma constante, mesmo que, por vezes, apenas sonho! Facebook: Hora da Pastoral. Instagram: @giselecanario.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada