Já sou assinante!

Ainda não é assinante?

Identifique-se para ganhar mais 2 artigos por semana!

ou

ou Assine Já

Memória afetiva - Revista Familia Cristã - Editoria Comportamento

Memória afetiva

Artigos Recentes

Dois anos sem reparação das famílias em Brumadinho

Comunidades inteiramente atingidas pelo rompimento da barragem continuam sendo violadas em seus direitos...

Jovens mantêm esperança no trabalho

“Empreender não foi uma falta de opção, foi uma escolha. Saímos dos nossos empregos e abrimos mão de uma carreira para empreender...

A importância de construir lembranças saudáveis

Por Josiane Moreira da Silva

A memória afetiva é aquela lembrança ativada por meio de elementos sensoriais e emocionais. Por isso, poucas coisas são tão boas para evocar memórias como os cheiros, sabores, sons…

Assim, os sentidos são essenciais para rememorar momentos, lugares e espaços de compartilhamento dessas memórias afetivas, pois os aromas e sabores faziam parte das nossas descobertas, daquele mundo ainda desconhecido a ser explorado na primeira infância.

Já dizia Tolentino Mendonça: “Quantas vezes, imprevistamente, uma informação olfativa vai arrancar do fundo mais remoto do nosso inconsciente uma recordação: a casa da nossa infância, um velho armário, um brinquedo, uma estação, uma pessoa que amamos”.

Por isso, para a psicóloga Lia Flávia Salviano, “é importante entender que a memória é um conjunto de fenômenos amplos e heterogêneos, que podemos conceituá-la como a capacidade dos organismos vivos de adquirir, reter e utilizar informações ou conhecimento a partir das experiências vividas”.

“Há vários tipos de memória”, afirma a psicóloga. Mas, atendo-nos à memória afetiva, “este termo foi descrito pela psicóloga americana Magda B. Arnold em seu livro Emotion and personality na década de 60, no qual afirma que as memórias afetivas são os arquivos históricos da vida emotiva de cada pessoa, não gravando apenas fatos, mas as emoções ligadas a eles”, considera.

Importância da memória afetiva

A memória afetiva é um elemento importante no processo de desenvolvimento das crianças, no aprendizado e assimilação dos próprios sentimentos, funcionamento do corpo, emoções e limites e no autoconhecimento, bem como na idade adulta, quando já temos formadas essas memórias, que a qualquer momento podem ser ativadas por meio dos sentidos, de um brinquedo, de objetos que nos fazem lembrar alguém ou alguma situação ou lugar.

Essas experiências podem gerar sensações e sentimentos positivos ou negativos que ficaram em nossa memória ou inconsciente. Por isso, pais, responsáveis, cuidadores de idosos, professores, por exemplo, podem ajudar a construir e ressignificar memórias, por meio de brincadeiras, do amor, do afeto, da leitura de um livro… Tudo pode ser caminho e processo de cultivo e formação de memórias saudáveis.

Lia explica que “esse tipo de memória tem um valor muito significativo, pois, mais do que guardar somente os fatos acontecidos na vida da pessoa, é possível guardar as emoções experimentadas por ela, permitindo que a pessoa acesse a experiência vivenciada por meio das emoções armazenadas”.

Cottonbro – Pexels

Influência no cotidiano

Desde a primeira infância, fase importante de descobertas, até a vida adulta, quando essas memórias vêm à tona de tantas formas, é importante perceber a influência que elas têm sobre nós. Afinal, podem influenciar de modo positivo ou negativo nossa vida, muitas vezes sem nos darmos conta.

Contudo, o resgate dessas memórias pode ser oportunidade de dar um novo sentido e compreensão a determinadas situações que, muitas vezes, podem motivar ou paralisar a caminhada de uma pessoa e, no entanto, precisam ser ressignificadas, trabalhadas, seja com exercícios de autossugestão, seja com o auxílio de um profissional.

Estudos comprovam que a memória afetiva é a última de todas as memórias que o ser humano possui a ser perdida. Portanto, pessoas que estão em processo progressivo de perda da memória, como o Alzheimer, exigem uma atenção constante, pois expressam e evidenciam toda a afetividade.

Por isso, a dica é aproveitar todos os momentos, auxiliando, principalmente, no resgate das memórias positivas, pois muitos têm a tendência de prender-se às memórias negativas e perseverar nessas emoções e afetos que se desenvolveram durante a vida.

Construir memórias

Lia Flávia partilha que as memórias afetivas podem carregar sentidos positivos ou negativos, e que a família é um lugar de construir e proporcionar memórias. “É um ambiente que transmite valores e constrói identidade, ou seja, aquilo que é essencial aos seus participantes. Ao ver uma foto ou participar de uma conversa, podem-se evocar sentimentos de alegria por um encontro na casa dos avós; o cheiro do bolo que a mãe fazia para o lanche; o perfume das flores da fazenda. E perceber, em cada simples ação, mensagens de amor e cuidado.”

E continua: “O papel da família aqui é o de auxiliar as crianças a realizar conexões, ajudá-las a identificar o essencial e valioso, ou seja, dando significado e contribuindo com a criança para que ela veja nas experiências cotidianas o valor do afeto”, reforça a psicóloga.

 “Em casa, com as crianças, busco ajudá-las a perceber os detalhes das circunstâncias e o afeto de que vêm carregadas: o café que uma vovó faz; o abraço da mamãe; a música que a vovó canta para dormir; as histórias que o pai conta. E, assim, vamos auxiliando as crianças a perceber aquilo que acontece ao seu redor e a perceber as emoções que cada ação dessas carrega”, conclui.

Afinal, essas memórias vão nos acompanhar vida afora e, em algum momento da nossa vida, de alguma forma, nos farão uma visita. Oxalá seja para nos recordar (trazer de volta ao nosso coração) uma lembrança bonita que nossa memória guardou de nossa infância.

Quais os aromas e sabores de suas memórias afetivas? O que elas provocam em você? Que memórias você compartilha e promove em família, na escola, no seu local de trabalho ou em outros lugares de compartilhamento de experiências? Pense nisso!

Josiane Moreira é irmã paulina e estudante de Jornalismo. No seu cotidiano, cultiva a arte de conhecer a história das pessoas e de se comprometer com elas. Gosta de cantar e registrar momentos, essa é a sua maneira de viver e cuidar da vida.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada