Já sou assinante!

Ainda não é assinante?

Identifique-se para ganhar mais 2 artigos por semana!

ou

ou Assine Já

Você já fez algum tratamento homeopático? - Revista Familia Cristã

Você já fez algum tratamento homeopático?

Artigos Recentes

Por Nayá Fernandes

Quem nunca recorreu a um chá de gengibre com mel para melhorar a tosse ou a algum remedinho caseiro para aliviar uma azia? No Brasil, as práticas alternativas na medicina são muito difundidas e, em alguns casos, recomendadas e desenvolvidas pelos próprios médicos. É o caso da homeopatia.

Claro que homeopatia é muito mais do que o famoso chazinho da vovó e tem ganhado cada dia mais espaço, até mesmo dentro dos sistemas públicos de saúde. Trata-se de um tratamento que vê a pessoa de forma orgânica e integral, buscando o equilíbrio da energia vital de cada pessoa individualmente, já que o processo de adoecimento, em muitos casos, reflete a desarmonia. 

Dessa forma, na homeopatia, são considerados os sintomas físicos, emocionais e mentais que apontam para tal adoecimento. Além disso, ela tende a ser um tratamento preventivo, ou seja, age antes mesmo de aparecerem sintomas, alterações ou danos fisiológicos. 

Nas doenças agudas, a recuperação com o tratamento homeopático pode ser rápida, com alívio dos sintomas em curto prazo. Já para as doenças crônicas, isso pode acontecer gradualmente e de forma progressiva.

Em alguns países, contudo, a homeopatia não é reconhecida como uma especialidade médica. No Brasil, por sua vez, é reconhecida desde 1980 pelo Conselho Federal de Medicina. 

Menos efeitos colaterais

Jussara de Jesus Alves Penteado, 45, mora na zona norte de São Paulo e tem dois filhos adolescentes. Ela veio da Bahia ainda criança com a família e lá, com seus avós, aprendeu a fazer remédios caseiros para situações como gripes, resfriados ou uma dor de cabeça leve. Em São Paulo, estudou enfermagem e, durante o curso, aprendeu a ver como a homeopatia pode ser valiosa e, atrelada ou não a um tratamento convencional, muito útil no tratamento de doenças.

Homeopatia
Pixabay.com/bath

“Descobri que todo aquele conhecimento aprendido ainda na infância fazia sentido e, é claro, pode ser aperfeiçoado”, disse Jussara.

A enfermeira comentou que orienta os pacientes que acompanha a procurarem médicos homeopatas, sobretudo para tratamentos mais prolongados. “Na minha opinião, é uma prática menos invasiva, cujos resultados podem até demorar um pouco mais para aparecer, mas que tendem a ser mais duradouros e sem tantos efeitos colaterais”, explica.

“Às vezes, o paciente começa a tratar um problema e aparece outro, porque os fármacos são muito fortes. Por isso, é sempre bom procurar alternativas na homeopatia, que, inclusive, vê a pessoa de forma integral, tratando não só a dor em si, mas os problemas que podem estar desencadeando aquela dor”, ressaltou a enfermeira. 

Homeopatia
Pexels.com/Nataliya Vaitkevich-7615453

Jussara disse também que é preciso distinguir homeopatia de outras medicinas alternativas. “Existem muitos tipos de tratamentos que prometem curas milagrosas, alguns sem nenhuma base científica. Médicos falsos, que nunca estiveram numa universidade. É importante que as pessoas busquem referências seguras para não serem enganadas”, concluiu.

Cura e vida nova!

Aparecida Marques da Silva, 62, mora em Montes Claros, no interior de Minas Gerais, e está, há cerca de dois anos, fazendo tratamento homeopático junto ao convencional para curar-se de um câncer na mama esquerda.

“Quando eu descobri o câncer, num exame de rotina, fiquei muito abalada. Sabia que, mesmo com possibilidade de cura, pois descobri bem no início, o tratamento tem muitos efeitos colaterais e é muito complicado”, contou.

Mas Cidinha da Silva, como é conhecida a cabeleireira, logo descobriu a homeopatia como tratamento auxiliar e diz que consegue sentir muita diferença e a diminuição desses efeitos. “É impressionante como até as manchas causadas pelo tratamento tendem a sumir mais rápido, além da questão do auxílio na digestão e até nos enjoos”, disse.

A cabeleireira teve que retirar a mama e comemora, pouco a pouco, a cura e a volta à rotina no salão. “Ainda não consigo fazer nem um décimo de tudo o que eu fazia num dia. Mas, se consigo cortar o cabelo de uma criança por dia, já fico feliz”, falou Cidinha.

Na Organização Mundial da Saúde

“A homeopatia é uma prática médica bicentenária que, ao longo de sua história, tem demonstrado resolutividade, baixo custo, amplo alcance e incontestável aceitação social. Estima-se que, na atualidade, cerca de 500 milhões de pessoas utilizam a homeopatia como forma terapêutica em todo o mundo. Isso representa cerca de 7% da população mundial.”

O texto acima foi retirado de um artigo intitulado “Homeopatia: um breve panorama desta especialidade médica”, escrito por Marcelo Pustiglione, Eduardo Goldenstein e Y. Moisés Chencinski, que são médicos e integrantes da Câmara Técnica de Homeopatia do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. O texto, na íntegra, foi publicado na Revista de Homeopatia, número 80. 

Os médicos recordam ainda que, há décadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) vem apoiando a inclusão das chamadas “práticas alternativas de tratamento” no sistema de atenção à saúde das pessoas. A OMS vem facilitando sua inserção nos sistemas de saúde, elaborando diretrizes, estimulando a “investigação clínica sobre segurança e eficácia” e “atuando como centro coordenador para facilitar o intercâmbio de informação”.

Homeopatia
Pexels.com/cottonbro

Homeopatia no SUS

O Sistema Único de Saúde Brasileiro (SUS) tem a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), cujo objetivo é ampliar o acesso da população aos serviços e produtos das Práticas Integrativas e Complementares nas Redes de Atenção à Saúde. Além da homeopatia, a política contempla as plantas medicinais e fitoterapia, a medicina tradicional chinesa/acupuntura, a medicina antroposófica e o termalismo social/crenoterapia. 

Nas Unidades Básicas de Saúde de São Paulo

Para solicitar uma consulta homeopática, para adulto ou para criança, na cidade de São Paulo, o munícipe deve se dirigir à Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua residência e solicitar este encaminhamento através do profissional médico.

A UBS acessa a vaga através da Agenda Regulada e oferece o atendimento em homeopatia na Unidade de Saúde o mais próxima possível da residência do munícipe. Além de unidades próprias da Prefeitura, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) também dispõe de convênio com a Associação Paulista de Homeopatia (APH), próxima ao Hospital São Paulo, que atende a demanda da SMS. Tudo é feito pela Agenda Regulada e pela UBS do território do munícipe.

Com informações da Prefeitura de São Paulo

Nayá Fernandes é jornalista, especialista em Jornalismo Literário e mestra em Literatura e Crítica Literária pela PUC-SP. Gosta de música e arte, de escrever histórias do cotidiano, inspiradas pelo caos urbano ou pela calmaria de um Adágio de Barber. Mãe do Francesco, nasceu em Minas Gerais e ama viajar, seja por palavras, seja de avião, bicicleta ou trem.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada