Já sou assinante!

Ainda não é assinante?

Identifique-se para ganhar mais 2 artigos por semana!

ou

ou Assine Já

Família, lugar de fé - Revista Familia Cristã

Família, lugar de fé

Artigos Recentes

Por Aline Herculano

“A família cumpre sua nobre missão de educar os filhos na fé através de uma vivência que estimule os filhos a fazer a experiência do seguimento de Cristo. A oração familiar é o alinhamento da fé e, por ela, a alma humana se eleva para Deus e obtém as graças necessárias para uma vivência familiar saudável e feliz.

É por meio desse tipo de oração que se abre para os filhos a porta que introduz todos os demais membros da família na oração litúrgica, sobretudo na Eucaristia dominical e nos demais sacramentos pelos quais a fé cresce e se fortalece”, afirma Padre Clairton Alexandrino de Oliveira, assessor eclesiástico da Pastoral Familiar da Arquidiocese de Fortaleza (CE).

Trago o testemunho de duas famílias católicas cearenses: a de Hozana Arruda, Edmar Ferreira e sua filha, Maria Isabella, e a de Talyta Toné, Arthur Jordan e seus filhos: Letícia Maria, Samuel, Teresa, Tobias e Gregório Lourenço.

“FÉmília”

Família
Talyta e Arthur com os filhos reunidos no batizado do caçula Gregório. Foto: Arquivo Pessoal

Talyta Toné conta-nos que, para viver a fé em família, é preciso seguir três passos: “primeiro: sendo um bom exemplo! Exemplo nas virtudes: honestidade, respeito, caridade, compaixão, mansidão, paciência, fidelidade etc. Isso não é nada fácil, é verdade. Mas é extremamente necessário. O exemplo arrasta. O segundo ponto é promover um ambiente familiar que proporcione a vida de oração (pelo menos um oratório, com crucifixo, imagem da devoção da família etc.). Terceiro é buscar viver cada tempo litúrgico da Igreja também no lar. Exemplo: montar o presépio no Natal; abster-se de carne nas sextas-feiras; penitências e orações em conjunto na Quaresma etc.”, diz Talyta. 

Para Hozana Arruda, “viver a fé em família para mim significa viver o sobrenatural do Senhor na minha família, saber que minha família pertence ao Senhor, pertence em todos os âmbitos”. 

Introdução da fé na vida dos filhos 

Em algumas famílias, a introdução da fé na vida dos filhos começa bem antes de os filhos nascerem.

Para Hozana, “começar a introduzir essa fé vem desde o pensar de ter filhos; então, bem antes que Isabella nascesse, eu já tinha pensado que a fé se faz de maneira eficaz na nossa vida. Ao pensar na Isabella, já pensamos na importância de fortalecer a fé. Depois, quando estava grávida, eu sempre cantei as músicas, principalmente ‘Mãezinha do céu, mãezinha do céu, eu não sei rezar…’, quando ela estava na minha barriga. Quando ela começou a falar as primeiras palavras, eu nunca a ensinei, na verdade, a se dirigir a Nossa Senhora como ‘mãezinha’. E ela repetia: ‘Mãezinha, mãezinha’, e isso foi um ato de fé, porque, com certeza, Nossa Senhora deu essa graça. Inclusive, no seu nome, Maria Isabella, Maria é uma homenagem a Nossa Senhora. Desde o começo a gente desperta essa fé em nossa filha”.

Família
Hozana Arruda, Edmar e sua filha Maria-Isabella. Foto: Arquivo Pessoal

Na família da Talyta, a introdução da fé na vida dos filhos é feita nos pequenos detalhes, desde ir à missa até ensinar a se comportar durante as celebrações: “Quando nos referimos às coisas de Deus, da Igreja, falamos com animação, mostrando como é bom ser amigo de Jesus, amar a ‘Mamãe do Céu’, os anjos e santos amigos de Jesus. A criança se anima com nossa animação. Então, se você vai para a missa achando ‘uma chatice’, a criança vai aprender isso com você, e você não vai nem precisar falar nada! Então, a introdução na fé realmente começa nos pequenos detalhes, bem naturalmente…. Você tem rotina de oração?”.

Missa com as crianças

Hozana explica por que é importante levar os filhos mesmo pequenos para a igreja: “Ação mais concreta, mais próxima do céu, é a Santa Missa. Tenho ouvido algumas mães dizer assim: ‘Não levo meu filho à missa porque ele faz barulho, fica correndo, esperneia, quer ficar saindo… porque isso, porque aquilo’. Se a gente não levar a criança para a missa, como ela irá aprender desde sempre? Eu me lembro do que São Crisóstomo diz em seu livro Como educar seus filhos: ‘Eduque seus filhos para o céu enquanto é tempo, enquanto eles são pequenos, porque, pequenos, eles são mais maleáveis; quando eles crescem, começam a ter suas próprias vontades’. Então, enquanto a gente puder dar esse discernimento, da importância da Santa Missa, a gente vai dar”, finaliza. 

Educação

Na atualidade, vários pais escolhem colocar seus filhos em um colégio católico para que eles possam aprender os valores cristãos, além da educação básica. Talyta explica a importância da educação para a vida: “Entre um colégio secular e um ‘católico’, lógico que a segunda opção é a melhor (as avaliações aqui seguem essa lógica). Mas é importante reforçar que a educação e a formação de um filho é dever primeiro dos pais. O colégio deve ser um auxiliar. Os pais devem, sim, despertar para a educação dos filhos, mas os valores cristãos vão ser mais ‘enraizados’ se forem praticados, de fato, no convívio do lar”, declara.

“ConFé”

O ano de 2021 foi um ano bem difícil para a família de Hozana. Em meio à pandemia do coronavírus, eles passaram por uma provação e a fé foi fundamental para continuarem o caminho. “Tenho três filhos morando no céu, intercedendo por nós aqui na terra, intercedendo pela Maria Isabella, por mim e pelo meu esposo. Tenho fé que Deus nos dará mais filhos. Foi muito difícil, mas Deus quis assim. Antes eu era uma mulher infértil, não podia ter filhos, não engravidaria, de acordo com a minha médica. Então, Deus veio provar que não é assim. Ele me deu a graça de ter engravidado três vezes, mas quis eles mais perto; estão no céu. Bendito seja Deus por isso!”, afirma Hozana.

Família que reza unida permanece unida e feliz 

Existe uma frase do sacerdote irlandês Padre Patrick Peyton que diz: “Família que reza unida permanece unida”. Orar em família é um grande ato de fé, amor e gratidão a Deus. 

Na família de Hozana, eles rezam o terço todas as sextas-feiras, online, e se reúnem com os familiares de ambos os lados. Rezar o terço em família para eles é primordial: “Ao colocar seus filhos para rezar, você mostra a eles que não precisam passar por um problema sozinhos, que, além dos pais, há o Cristo Vivo, aquele que pode tudo, é o Senhor do impossível”. Hozana deixa um conselho para as famílias: “O maior ato de fé que se pode ter em família é a oração. É verbalizar aquilo que o seu coração sente pelo Senhor, é colocar para fora o que teu coração transborda. É em oração que muitas vezes Deus lhe dá uma palavra e você escuta a voz dele. Tudo na nossa vida deve ser decidido a partir da oração, da escuta de Deus. E com certeza Deus nos escuta”.

Orar em família é que fortalece e une. Essa é a realidade da família da Talyta: “A oração em família une, fortalece. É um momento lindo que fica na memória. Além de que, com o hábito, vem a naturalidade. Gostaria de aproveitar e partilhar um episódio que me emocionou muito! Certa vez, estávamos em um daqueles dias bastante exaustivos. Arthur não estava com tanta paciência e, após reclamar com eles por causa de alguma ‘bobeira’ (coisa errada) que fizeram, mandou: ‘Vão tomar banho, comer o mingau e dormir!’. E Samuel retrucou: ‘Mas pai… Temos que rezar o terço antes!’. Quando ouvi essa resposta, meus olhos ficaram cheios d’água, mas porque eu louvei a Deus e pensei: ‘Meu Deus, quantas vezes para mim foi um sacrifício rezar o terço! Para esta criança é tão natural, já é tão habitual no seu dia a dia rezar, que privá-lo disso é estranho. Bendito seja Deus, porque ele não vai sentir nunca o ‘fardo’ que um dia eu senti quando ia rezar!”. 

E, para concluir, Talyta deixa algumas dicas de como os pais podem direcionar seus filhos para a fé:

1. Ser verdadeiro exemplo de cristão;

2. Promover um lar católico; devemos estampar em todo canto possível nossa fé;

3. E por que não decorar também as festas com temas católicos? (Por exemplo: “Aqui, todo aniversário é uma experiência de fé que proporcionamos aos aniversaraintes e aos convidados”, explica Talyta);

4. Brinquedos católicos, jogos de tabuleiro etc.

5. Leitura da vida dos santos; 

6. Desenhos e músicas cristãos;

7. Mostrar a todo instante possível como Deus é bom e nos ama muito;

8. No perfil @ideiascatolicas, Talyta compartilha sugestões para “pensarmos em Deus fora da caixa”.

Aline Herculano é jornalista e pós-graduanda em Assessoria de Comunicação. Ama ouvir podcasts, tanto que dialoga sobre diversos assuntos no podcast Dialogando. Ama literatura fantástica. Instagram:@lineherculano

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada