Já sou assinante!

Ainda não é assinante?

Identifique-se para ganhar mais 2 artigos por semana!

ou

ou Assine Já

Empreendedorismo feminino - Revista Familia Cristã - Editoria Família

Empreendedorismo feminino

Artigos Recentes

Dois anos sem reparação das famílias em Brumadinho

Comunidades inteiramente atingidas pelo rompimento da barragem continuam sendo violadas em seus direitos...

Jovens mantêm esperança no trabalho

“Empreender não foi uma falta de opção, foi uma escolha. Saímos dos nossos empregos e abrimos mão de uma carreira para empreender...

Dia a dia de mulheres que usam a sensibilidade feminina para exercer, com maestria, profissões consideradas “masculinas”

Por Andrea Adelio

O que diferencia homens e mulheres? Essa é uma pergunta que poderia ter uma resposta óbvia: características físicas e biológicas, entre vários outros aspectos. Contudo, muito além das aparências, e de todos os demais estereótipos de gênero, para algumas mulheres que exercem profissões predominantemente masculinas, conviver com essas diferenças no dia a dia é mais do que entender de comportamento masculino ou feminino. É saber se desafiar, diariamente, usando essa particularidade como estímulo para potencializar os seus negócios.

Desde fazer frente à concorrência a conquistar clientes pelo diferencial que oferecem, lidar com a diversidade fortalece a sensibilidade feminina, de acordo com elas. É o caso de Guerda Tiziane, proprietária de uma empresa especializada em pintura e estética automotiva, e Carla Jansson, que gerencia uma empresa de encomendas urgentes. Ambas empreendem em Curitiba, no Paraná, e trabalham em ambientes considerados “masculinos”.

Qual é o lugar da mulher?

“Meu pai era pintor automotivo, e, ainda que eu nunca tenha trabalhado com ele, abracei o mesmo segmento”, conta Guerda. Segundo ela, o sonho de ter o seu próprio negócio foi a motivação para que, em 2016, se tornasse sócia da empresa onde atualmente é a única proprietária. “Eu sempre gostei de carros e, como não entendia nada sobre eles, eu tinha dificuldade quando precisava de atendimento. Por isso, eu despertei para esse serviço com o intuito de oferecer segurança tanto para homens quanto para mulheres que buscassem uma funilaria”, afirma.

Guerda Tiziane, em sua empresa, especializada em pintura e estética automotiva. / Crédito: Sandro Oliveira

Conviver em um ambiente totalmente masculino (entre os colaboradores de Guerda, há só uma mulher) traz a ela desafios até no momento da contratação, pois nem sempre as mulheres se dispõem a desbravar o universo automobilístico. “Para os homens, o carro é uma extensão da masculinidade, uma vez que, desde crianças, brincam com eles; então, na fase adulta, seu brinquedo apenas muda de tamanho. Por outro lado, as mulheres quase não frequentam oficinas. Geralmente são os pais, maridos ou namorados que levam os seus carros para o conserto”, diz ela. 

“Você não sabe se colocar no seu lugar.” Essa foi uma das tantas frases que Guerda já ouviu, simplesmente por ser mulher e estar no comando da empresa. Ela comenta que antes o preconceito era maior, visto que ela ainda não dominava todos os aspectos do serviço. Hoje, no entanto, a convivência é harmônica. Sejam clientes ou colaboradores, todos compreendem que o lugar da mulher é onde ela quiser estar.

Muito além do trabalho

Engana-se quem pensa que os desafios surgem apenas no trabalho. A visão sobre uma mulher que exerce uma função “masculina” vai além do aspecto profissional. “Temos muitas atribuições e cobranças. Mãe, esposa, filha, profissional. E exige-se que estejamos sempre bem e com aparência impecável. Que seja uma Mulher Maravilha”, considera Guerda.

Apesar disso, ela se diz muito realizada com a escolha que fez.  “Este movimento de sororidade que está acontecendo atualmente veio para nos fortalecer. Seja em grupos de networking, seja em reuniões de empreendedoras, uma fortalece a outra, pois compartilhamos das mesmas dores e alegrias”, conclui.

Guerda Tiziane, proprietária da Car Station. / Crédito: Sandro Oliveira

Diferentes posições, desafios em comum

Carla também convive no ambiente “masculino” desde que seu pai iniciou a empresa, em 1988. Apesar disso, foi a partir do início da pandemia, quando ele se ausentou, em virtude do lockdown, e optou por continuar em casa, que ela assumiu oficialmente o comando.

“Demorei para perceber o quanto a empresa já estava sob a minha responsabilidade, e só agora sinto que realmente ‘estou’ empreendedora”, afirma ela. Tendo o pai como mentor, ela diz gostar muito da área do transporte e logística, pois nunca cai na rotina. Em contrapartida, o longo tempo de dedicação ao trabalho acaba por comprometer a vida social.

Doçura e firmeza

Ser empreendedor(a), hoje, já representa um grande desafio. Assumir essa função sendo mulher exige ainda mais empenho. Em contrapartida, saber utilizar as características femininas como trampolim para o sucesso se traduz no grande trunfo das mulheres que sabem ter postura firme, sem, contudo, perder a doçura. Carla usa o tom de voz, por exemplo, para tranquilizar clientes ou colaboradores que porventura estejam alterados. “Sempre funciona”, se diverte ao contar.

Única mulher na empresa, ela tem o zelo de cuidar da aparência com toda a sua vaidade. Não dispensa salto alto nem maquiagem, porém evita saias e vestidos. “Exercer um cargo masculino não tira a feminilidade de ninguém, nem vice-versa. Acho que todo e qualquer trabalho honrado fica muito acima desta discussão”, opina.

Sob a proteção de Deus

Mulheres que são a minoria nas funções que desempenham precisam aprender a administrar também a concorrência masculina. De acordo com elas, os homens competem em tudo, e de uma forma diferente. Mas isso também ajuda a desenvolver novas estratégias. “Acho que já superamos os maiores obstáculos e agora há espaço para todas as mulheres. Nós podemos tudo!”

Carla finaliza revelando um segredo para manter-se firme frente aos desafios do dia a dia. “Desde que meu pai deixou de ir para a empresa, coloquei Jesus como meu sócio majoritário. Ao entrar, peço proteção; ao sair, tenho gratidão por tudo. O que deu certo foi merecimento, e o que deu errado, aprendizado. Com a ajuda dele, o fardo fica bem mais leve”, conclui.

Andrea Adelio é jornalista, fundadora da Tô em Foco Fábrica de Revistas, empresa especializada em eternizar histórias de pessoas, empresas e negócios. É também consultora de imagem e estilo, e master coach integral sistêmico. Tem como hobbies dançar e viajar (em histórias e lugares).

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada