Já sou assinante!

Ainda não é assinante?

Identifique-se para ganhar mais 2 artigos por semana!

ou

ou Assine Já

Educação, a que se destina? - Revista Familia Cristã - Amaro França

Educação, a que se destina?

Freepik.com

Para refletir sobre as novas discussões e temáticas que envolvem a educação escolar no mundo de hoje

Por Amaro França

Diante da pandemia, faz-se necessário estar consciente de que muitos aspectos considerados relevantes mudaram. Não apenas o fato de o ensino poder ser presencial ou remoto, ou quanto ao espaço físico e/ou ao ambiente virtual escolar – num modelo híbrido que, certamente, passa a integrar o existir institucional e suas práticas pedagógicas. A questão é que também a missão da escola se transformou.

Se antes, para a escola, o enfoque era no mero atendimento aos alunos, muitas vezes descaracterizados de identidade e personalidade, hoje são fundamentais, mesmo a distância, a valorização e o foco no próprio indivíduo, enquanto pessoa, sujeito singular, dotado de suas inteligências, suas formas de aprendizagem e, consequentemente, com suas diferentes habilidades para resolução de problemas.

A escola tem, no momento atual, o papel de perceber e acolher o aluno não só como pessoa, mas também como “sujeito coletivo”, ligado a uma “ecologia cognitiva”, à qual todos os humanos estão conectados, mantendo uma relação contínua entre o pensamento e o ambiente externo, ou seja, uma complementariedade das partes e da sua inter-relação com o todo. Assim, a escola pode almejar ir além do processo de aprendizagem formal, objetivando uma postura flexível no que se refere aos mecanismos de novas metodologias ativas que favoreçam a aprendizagem, pois, tão importante quanto “o que se aprende”, é a disponibilidade para se perceber enquanto “sujeito aprendente”, que “aprende a aprender”, e, também, “como e o que” se sabe, sem focar tanto no “quanto” se sabe.

Essa visão do processo educacional certamente, impulsionará a escola enquanto comunidade de aprendizagens, onde principalmente o professor, como também o aluno, reflete, analisa e vai tomando consciência do seu novo papel – capaz de romper com os conceitos estabelecidos, adquirindo conhecimentos e saberes muito além da informação.

Pixabay.com

Os processos constitutivos educacionais e suas concepções sobre os sujeitos aprendentes (professor/aluno) podem favorecer a consolidação de novas relações interpessoais e ambientes de aprendizagens que estimulem a valorização de dimensões humanas como a criatividade, a intuição, a colaboração e o desenvolvimento do próprio conhecimento de forma interdisciplinar e/ou transdisciplinar.

Ver o mundo e o processo educacional, interpretando-os sob o prisma de comunidade aprendente, evoca uma dimensão profunda de coexistência, na busca de estar em constante construção de aprendizagens, de saberes, inclusive na procura de uma relação harmoniosa com todos os outros seres que compõem o universo. Dessa forma, saber conviver com os diversos outros que coabitam o nosso planeta é também um processo de aprendizagem para os sujeitos envolvidos no processo educacional, exigindo uma respeitosa delicadeza no trato com o diferente ou com a pluralidade das diferenças.

Pode-se afirmar que, no momento, há uma agenda educacional positiva em discussão, que fomenta uma nova matriz sobre o sentido da própria educação, da escola expandida nos espaços de convivência e de aprendizagens (físico e/ou virtual), onde trafegam o conhecimento e as mudanças do saber, sendo estes não apenas promovidos pelo avanço das tecnologias ou do acesso à informação, mas, principalmente, pelas relações estabelecidas entre os sujeitos envolvidos no processo educacional e o papel ao qual a educação se destina. Como afirma Immanuel Kant, a educação tem a função de transformar o ser humano em Ser Humano: “O homem não pode tornar-se um verdadeiro homem senão pela educação. Ele é aquilo que a educação dele faz”.

Amaro França é escritor, palestrante e gestor educacional, autor do livro Gestão humanizada: liderança e resultados organizacionais, da Editora. Ramalhete. Apaixonado pela educação, gosta de escrever, tendo como propósito impactar positivamente as pessoas com suas ideias, liderança e trabalho.

Artigos Recentes

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada