Já sou assinante!

Ainda não é assinante?

Identifique-se para ganhar mais 2 artigos por semana!

ou

ou Assine Já

Decoração da casa pode favorecer saúde mental dos moradores - Revista Familia Cristã

Decoração da casa pode favorecer saúde mental dos moradores

Artigos Recentes

Psicologia da arquitetura dá pistas de como deixar o ambiente familiar mais agradável e saudável

Por Christiane Sales

Em tempos de pandemia, em que muitas pessoas foram obrigadas a ficar períodos maiores dentro de casa, surgiu uma pergunta: a decoração dos ambientes pode afetar a saúde mental dos indivíduos? Com o confinamento e a quarentena, não foram poucas as pessoas que se queixaram do aumento do nível de estresse e de alterações no humor. Mas a disposição dos objetos e a organização dos ambientes da casa podem ter alguma relação com isso?

Uma linha de pesquisa que conecta Psicologia e Arquitetura acredita que sim. Apesar de parecer novidade, o tema é objeto de estudo desde a década de 1950, quando cidades inteiras precisaram ser reconstruídas no pós-guerra. De lá para cá, as pesquisas foram evoluindo e a psicologia ambiental, também conhecida como “psicologia da arquitetura”, foi constatando a correlação entre o ambiente físico e o comportamento humano. “O contentamento ou descontentamento do indivíduo com o seu ambiente físico poderá determinar se este possuirá uma vida mais harmoniosa e saudável ou não”, explica a psicóloga Fernanda Vasconcelos.

De acordo com a arquiteta Tatiane Ximenes, cada ambiente de uma casa possui um objetivo e o não cumprimento dessa função pode gerar transtornos para os moradores. “Cada ambiente da casa tem um objetivo: a sala de jantar é onde a família se reúne para as refeições, o quarto é o lugar de descanso. Quando o ambiente não cumpre o seu objetivo, de certa forma, ele altera ou interfere no psicológico dos moradores. Pode ser alguma coisa muito aparente ou pode ser algo mais sutil, que só vamos perceber se aprofundarmos o olhar”, explica.

Segundo a arquiteta, não há uma regra universal a ser aplicada em todas as casas. “Cada família, cada pessoa vai trazer na sua história, no seu gosto, no próprio temperamento, um jeito. É preciso que o ambiente seja adaptável à vida, à rotina e à personalidade das pessoas que moram ali, para que aquilo realmente cumpra o seu objetivo”, completa Tatiane.

Freepik.com

O designer de interiores Fernando Pádua explica que uma boa forma de deixar o ambiente familiar mais agradável é observar as necessidades dos membros da família. “Deixar o ambiente mais agradável é você identificar qual é a sua percepção diante das cores, dos elementos. Se você prefere um ambiente mais liberado de detalhes, de mobiliário; ou se você prefere um ambiente com mais apoio, mais recursos. O ambiente agradável é aquele que corresponde a sua necessidade de uso”, afirma.

5 dicas para deixar sua casa mais saudável

1) Reconheça a função do ambiente

A melhor maneira de começar a transformar a casa em um ambiente mais saudável e harmonioso é questionar se cada cômodo cumpre a sua função própria. A partir das respostas, será possível perceber o que realmente precisa ser mudado.

Por exemplo, sobre uma sala de jantar você pode questionar:

  • Será que as pessoas da casa estão realmente comendo sentadas à mesa?
  • Elas preferem comer sentadas no sofá ou na frente da TV?
  • Por que eu não consigo ficar muito tempo nesse ambiente? A cadeira é ruim e dói as costas, ou é o ambiente que é abafado?

2) Organize os ambientes

Busque livrar-se de objetos que não têm uso, não têm funcionalidade, ou estão em excesso no ambiente. “Essa é uma dica acessível a todos. Observe também como está a limpeza do cômodo. Algumas vezes o ambiente está desorganizado porque está sujo”, explica Tatiane Ximenes.

3) Verifique as cores

De acordo com os profissionais consultados, as cores que mais se aproximam das encontradas na natureza são as mais agradáveis ao olhar humano. “Se você vai ter uma sala de relaxamento, o ideal é que você tenha tons neutros, claros, cores mais frias, para lhe trazer uma percepção natural. O verde, por exemplo, é um tom de maior conforto para o cérebro humano. Se você consegue colocar elementos verdes no ambiente, é muito relaxante para o olhar. Mas é importante lembrar que a harmonização de cores e elementos varia de pessoa para pessoa”, explica Fernando Pádua.

4) Busque manter os cômodos arejados

O bem-estar ambiental prevê que você tenha um ambiente arejado, com conforto térmico, facilidade de respirar e de permanecer. “É importante ressaltar a necessidade do contato com a natureza e de privilegiar ambientes físicos com locais arejados, amplos, limpos e iluminados pela luz do sol”, explica a psicóloga Fernanda Vasconcelos.

5) Atenda às suas necessidades pessoais

“A harmonização do ambiente é uma representação do seu estado de espírito. Por isso, é importante ter esse conhecimento e reconhecer como equilibrar em nós os elementos que ainda não estão tão harmonizados, para que o ambiente externo possa acalmar, despressurizar, dar uma percepção confortável. Se você tem uma percepção confortável do ambiente, você favorece o espírito e deixa sua atenção mais liberada, mais calma e tranquila”, finaliza a psicóloga.

Christiane Sales é jornalista e redatora. Gosta de viajar e de conhecer lugares novos.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada