Já sou assinante!

Ainda não é assinante?

Identifique-se para ganhar mais 2 artigos por semana!

ou

ou Assine Já

Jovens em ação:lixão transformado em parque - Revista Familia Cristã

Jovens em ação:
lixão transformado em parque

Artigos Recentes

Ações sociais, mobilização e participação popular vêm transformando a comunidade do Jardim Colombo, no complexo Paraisópolis (SP)

Por Roseane Welter

Ester Carro, arquiteta e ativista urbana, desde 2017, lidera o projeto Fazendinhando, uma iniciativa com o intuito de revitalizar uma área que era usada como depósito de lixo e entulho, por mais de 15 anos, no bairro Jardim Colombo, zona oeste de São Paulo.

Desde criança, Ester se questionava sobre a realidade à sua volta − por que sua casa não tinha revestimento, por que, quando chovia, o córrego Itararé transbordava? Por que tanto lixo acumulado na rua?

Os questionamentos se transformaram em força e garra para mudar as situações, e sentia que não podia ficar inerte diante das carências do seu bairro. Com o projeto Fazendinhando, ela vem garantindo mudanças importantes para o urbanismo e para a comunidade.

Parque Fazendinha

Com pouco mais de 15 mil habitantes, o bairro não tinha um espaço para lazer e esporte. A partir da mobilização da comunidade, nasceu o Parque Fazendinha, em uma área de declive com cerca de 1.000 m², onde se acumulava um grande volume de lixo. Ali surgiu o escopo do projeto. “A iniciativa foi inspirada pelo relato do fundador e idealizador do Parque Sitiê (RJ), que apresentou o projeto aos moradores do nosso bairro e mostrou que é possível converter um ponto de descarte de lixo e entulho em um espaço público para a comunidade”, recordou Ester.

A jovem falou que a transformação do terreno se dá em duas frentes: “na limpeza do lixão e em um programa de atividades baseado em arte e cultura. Assim, o projeto amplia a conscientização dos moradores em relação ao meio ambiente e ao trabalho coletivo”, pontuou. Ester destacou à reportagem que foram mais de 100 caminhões da prefeitura retirando lixo, entulho, móveis, o que causava mau cheiro, proliferação de insetos e ratos. “Hoje o local é um parque, um espaço de encontro, de cultura, um ambiente transitável”, disse.

Esperança e resistência

O Parque Fazendinha promove atividades baseadas em arte e cultura, com o objetivo de ampliar a conscientização dos moradores em torno de questões como a importância do cuidado com seu entorno e com o meio ambiente, o respeito e o trabalho coletivo.

O parque está em construção e transformação e promove uma diversidade de atividades culturais, esportivas e educativas para crianças, jovens, adultos e idosos.

“Essa intervenção que aconteceu representa esperança e resistência. Tem lixão, mas não tem uma praça, não tem um parque… Vamos juntos criar… Então, esse espaço aqui significa esperança, uma forma de mostrar à comunidade que estamos lutando, que queremos ver a diferença, ver as crianças cuidando, preservando esse e outros espaços”, disse a arquiteta, salientando que o projeto é um caso de sucesso e que inspira outras pessoas a se engajarem na construção e preservação urbana e ambiental.

Fazendinhas urbanas

O projeto começou com o objetivo de restaurar um lixão para transformar em parque, mas não parou aí, pois continua crescendo e ampliando as frentes de ações. “A partir deste ano, estamos lançando o projeto Fazendinhas Urbanas, com o intuito de levá-lo para dentro dos lares, através de hortas, jardins, pensando, dessa forma, na questão da alimentação e também do contato maior com a terra, com o verde”, pontuou a arquiteta.

Outra frente de ação é a revitalização de escadarias, vielas: “O projeto não se limita só ao parque, pois já se expandiu e, com certeza, se expandirá também para outras frentes que fazem parte da nossa realidade comunitária”.

Projeto Fazendeiras

Outra frente de ação do Fazendinhando é o projeto Fazendeiras, destinado a mulheres entre 18 e 60 anos, moradoras do bairro, com o objetivo de minimizar as consequências econômicas e sociais na comunidade por meio dos cursos de gastronomia, de construção civil e de artesanato. “Nosso intuito é potencializar as mulheres para o mercado de trabalho, uma vez que muitas têm baixa escolaridade. Os cursos empoderam e possibilitam novas oportunidades a elas”, disse, enfatizando que os cursos compõem a parte teórica e prática, por exemplo, a teoria da construção civil é feita na casa de cada mulher, proporcionando melhorias e qualidade de vida”, ponderou.

Projeto Fazendo Lar

Outra frente de atuação do Fazendinhando é o projeto Fazendo Lar, com o objetivo de revitalizar e reformar os lares dos moradores do bairro. “Além de renovação dos lares, também os móveis são uma necessidade para muitas famílias. Proporcionar melhor qualidade de vida e conforto dentro das casas é nossa meta”, afirmou Ester, destacando que a mudança parte do morador, e o Fazendinhando “conecta e abre frentes para a renovação acontecer”, enfatizou.

Durante a pandemia, o Fazendinhando investiu em ações assistencialistas voltadas para a comunidade, com a distribuição de cestas básicas, kits de higiene, produção e distribuição de máscaras, marmitas, entre outras ações.

Em 2021, o Fazendinhando foi um dos vencedores na premiação do Instituto de Arquitetos do Brasil de São Paulo (IABsp), na categoria de “urbanismo, planejamento e cidade”. “Agradeço imensamente a todos os colaboradores, doadores, voluntários, empresas parceiras do Fazendinhando, admiradores e apoiadores do movimento, e, também, os moradores do Jardim Colombo, que nos ajudaram na concretização das ações desenvolvidas e trouxeram reconhecimento para a atuação do nosso movimento”, finalizou Ester.

Conheça e faça parte do projeto:

https://www.fazendinhando.org/

Roseane Welter é jornalista, produtora de Rádio e TV. Graduada em Filosofia e licenciada em História. Apaixonada pela vida, gosta de música, de viajar, de escrever boas histórias inspiradas no cotidiano e de criar iniciativas que impactem o próximo.

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada