Sob as luzes de Josué

Livro de Josué
Freepik.com

Refletindo sobre os aspectos do Livro de Josué, aprofundamos nossa espiritualidade

Por Mariana Aparecida Venâncio

Há mais de cinquenta anos, celebramos, no mês de setembro, o Mês da Bíblia. É uma oportunidade para que nos aproximemos da Palavra de Deus por meio do tema que a Igreja nos indica no Brasil. Este ano, a proposta é que nos deixemos conduzir pelo exemplo de Josué e de seu livro, que muito nos tem a ensinar. Por isso, a cada mês, nesta coluna, refletiremos sobre um aspecto do Livro de Josué, que nos ajudará a aprofundar nossa espiritualidade. 

Uma liderança desafiadora 

A figura de Josué, no Antigo Testamento, tem grande importância, afinal, foi ele quem liderou o povo no retorno à Terra Prometida, na entrada efetiva na Terra, após o longo caminho de quarenta anos pelo deserto, que sucedeu o Êxodo. Gerações após a partida de Jacó e seus filhos, a Terra não estava desabitada. Por isso, o retorno do povo a Canaã foi complicado, cheio de combates e disputas territoriais, todos narrados no Livro de Josué. Então, mesmo após a conclusão do caminho pelo deserto, houve um processo até que o povo pudesse se estabelecer e viver, novamente, na Terra prometida a Abraão. E Josué é o líder desse tempo. Ele faz o discernimento nos combates e é o elo entre o povo e o Senhor. Nesse aspecto, sua liderança é desafiadora. Historicamente, Josué precisou de muita coragem para a missão de suceder a Moisés, que havia acompanhado o povo desde a saída do Egito. Ele havia se tornado uma grande referência: falava com Deus face a face, recebera as Tábuas da Lei das mãos do próprio Deus, era quem tinha a Lei gravada na mente e no coração para garantir que o povo não a esquecesse. Como sentir-se preparado para tamanho desafio? Como encarar a missão de suceder a Moisés? Como manter a coesão do povo e sua unidade, com uma liderança tão nova? Josué é um grande exemplo de coragem. 

Uma coragem cuja fonte é a Lei de Deus 

Certamente, a origem da coragem de Josué foi sua confiança na Lei do Senhor, que ele havia aprendido com o próprio Moisés. Como fiel seguidor do Senhor e conhecedor de sua divina providência, ele aceita a missão profética de liderar o povo, mesmo diante do grande empreendimento que era reconquistar um lugar na Terra Prometida. A confiança de Josué nos ensina a também hoje, quando somos desafiados a grandes empreendimentos, confiar nos desígnios divinos que conduzem tudo conforme sua vontade. E somos animados, também, a caminhar sob a luz da Palavra do Senhor, dispondo-nos a aceitar e amar seus direcionamentos, ainda que eles não coincidam com as nossas vontades e expectativas. Foi essa firmeza e confiança que permitiram a Josué a audácia de aceitar a sucessão de Moisés. Muitas vezes nós mesmos nos consideramos indignos de grandes e pequenas coisas, sem acreditar que o Senhor direciona nossos passos e nos conduz aos lugares que devemos ocupar. 

“Tão somente, sê forte e muito corajoso” (cf. Js 1,7)

Livro de Josué
Livro de aprofundamento do mês da Bíblia. Foto: Arquivo Paulinas

O Livro de Josué começa, portanto, com o anúncio da escolha de Josué por parte do Senhor e com as instruções que o próprio Senhor dá a ele, a fim de que tenha êxito em sua jornada e em seus empreendimentos. São instruções que também podemos adotar em nossa vida: “Tão somente, sê forte e muito corajoso e cuida de agir segundo toda a lei que Moisés, meu servo, te prescreveu. Não te desvies nem para a direita nem para a esquerda, a fim de que tenhas êxito por onde quer que andes. Que o livro desta Lei esteja sempre em tua boca (…). Não tenhas medo, nem te acovardes, pois o Senhor, teu Deus, estará contigo por onde quer que vás” (cf. Js 1,7-9). Na época de Josué, o “Livro da Lei” eram as tábuas que Moisés havia recebido do próprio Deus, com os desdobramentos que o povo descobriu ao longo do caminho pelo deserto e que estão registrados nos livros de Levítico, Números e Deuteronômio. Hoje, temos a nossa disposição outros desdobramentos e interpretações da Lei registrados no Antigo Testamento pelos Profetas, por exemplo. Temos também o registro da história dos erros e dos acertos do povo na missão de cumprir a Lei, que podemos ler nos Livros Históricos. Mas temos, principalmente, a interpretação que Jesus faz da Lei, atualizando os mandamentos do Senhor e conferindo-lhes um caráter pleno e definitivo, ao traduzi-los na perspectiva do amor cristão. 

Assim, a missão dada a Josué permanece a mesma para nós, diante das lideranças que somos chamados a exercer no nosso próprio contexto de vida: em algum ministério em nossa comunidade de fé, quando formamos uma família, quando gerenciamos um grupo de pessoas em nosso trabalho… A missão permanece a mesma: viver com coragem a fidelidade à Lei do Senhor. Mas talvez ainda nos seja mais fácil do que foi a Josué, afinal, temos o testemunho de infindáveis pessoas que, ao longo do tempo, antes de nós, se dedicaram ao mesmo desafio, com percalços e êxitos. Está na fidelidade a chave para que sejamos bem-sucedidos, apesar dos desvios do caminho. Você já se perguntou como o povo conseguiu ser fiel a Josué depois de ter perdido a grandiosa figura de Moisés? Com frequência, rejeitamos novos líderes depois de ter caminhado por longo tempo com um único líder. Somos resistentes à novidade, desconfiamos dos que são jovens. Naquele tempo não devia ser diferente. Como, portanto, Josué foi tão prontamente aceito? A explicação está em um detalhe fundamental: não confiaram nas capacidades humanas de Josué, mas sim em quem Josué colocou sua confiança – no Senhor! 

Mariana Aparecida Venâncio é teóloga leiga, doutoranda em Estudos Literários. Dedica-se à pesquisa da Bíblia como Literatura e é assessora da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB. É encantada pela arte de criar: escrever, tecer, cuidar, amar. Instagram: @marianaavenancio

Artigos Recentes

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada