A leitura da Bíblia – como melhorar
essa experiência

Leitura orante
Pixabay.com

Devemos reservar um pouco de tempo para ganhar familiaridade à sua leitura e conseguir apreciar melhor sua mensagem

Por Pe. Cleiton Viana

É comum os jovens e tantas outras pessoas pedirem conselhos sobre como melhorar sua leitura da Bíblia. Alguns se ressentem de que até se esforçam, mas parece que a leitura não “decola”. O que fazer para sair dessa situação? – eles perguntam. 

Antes de qualquer conselho, é sempre bom avaliar se realmente já estamos dedicando um tempo certo para a leitura da Bíblia. Cada vez mais nossa cultura tem encurtado nossa capacidade de leitura e nos acostumamos com leitura muito rápida. Se você usa o Twitter, por exemplo, esse parágrafo já teria extrapolado mais que o dobro do limite de um tweet!

A Bíblia não foi escrita em nossa época, mas foi escrita para nós em todas as épocas, exigindo alguns cuidados, como, por exemplo, o esforço de reservar um pouco de tempo: 10 minutos são suficientes para começar bem e progredir muito na espiritualidade. Que tal fazer um pequeno compromisso de reservar 10 minutos para a Bíblia em 4 dos 7 dias da semana? Dito isso, podemos seguir alguns conselhos.

A familiaridade é essencial

No final das contas, a leitura da Bíblia é encontro com uma pessoa: nosso Senhor Jesus Cristo. E não podemos conhecer ninguém apenas por contatos remotos, ocasionais e sem criar alguma conexão. Quanto mais nos expomos à presença dessa pessoa, mais vamos conhecendo detalhes dos seus sentimentos, reações e valores.

Mas para alcançar essa familiaridade é necessário encontrar-se com a pessoa não apenas em um ambiente ou situação. Você não se torna familiar do seu amigo porque apenas o vê no trabalho; é necessário passar mais tempo juntos e em ambientes diferentes.

Assim, aprenda a deixar sua Bíblia não só junto à cabeceira da cama para sua oração pessoal, mas também experimente deixá-la em outros lugares em que você possa folheá-la mais vezes durante o dia; nem precisa parar e ler, mas mexer, cutucar, curiar… (Se no seu mundo “curiar” não existe, saiba que é o verbo que descreve os curiosos olhando o mundo.)

Estar próximo da sua Bíblia mais vezes vai dar a você uma experiência muito além da leitura, sentindo-a como uma companhia, uma presença ao longo do seu dia. E, diante dessa presença, nosso diálogo se intensifica, nossa escuta se aprofunda e descobrimos mais do que poderíamos imaginar.

Degustação também se faz com textos

Uma segunda coisa importante é entender que degustação não é só para comida ou bebida, mas também para as leituras que fazemos, especialmente da Bíblia. É verdade que parece engraçado quando você escuta um avaliador de um prato especial dizer que ele sente remotamente o sabor da sálvia fresca no preparo que prova. Se eu não sei o que é sálvia, nem sei se ela pode ser consumida na forma fresca ou seca, realmente é muito engraçado ouvir isso.

Saciar a fome
Pixabay.com

Porém, como ele tem familiaridade com várias ervas, consegue reconhecer não apenas quando são usadas como também o modo como são usadas. Sem familiaridade não dá para ter degustação.

Por isso, com o tempo você consegue identificar melhor personagens que se repetem, conhecer suas características, o modo como reagem nas passagens bíblicas e o que eles representam nos dias de hoje. Por exemplo, um dia você, “curiando” os evangelhos, viu uns tais fariseus; outra vez você se encontra lendo uma passagem em que os fariseus levam a Jesus uma pergunta difícil para testá-lo, e pouco a pouco você vai identificar quem são os fariseus, como se dava sua relação com Jesus e quem nos dias de hoje pode ser identificado também com os fariseus.

Da familiaridade com o texto, nasceu uma capacidade de degustar, saborear nomes, personagens, referências. Assim, pouco a pouco, aquele texto “diferentão”, como um colega de trabalho recém-chegado, pode se tornar um grande amigo à medida que convivemos e deixamos nos conhecer em ocasiões diferentes.

Para ajudá-lo na sua degustação bíblica, você pode pensar nestas perguntas, sem se preocupar imediatamente em achar as respostas. O importante é saborear…

  • Quem são esses personagens no texto? O que eles representam?
  • Quais ações são narradas nesse texto? Quais sentimentos, emoções ou atitudes aparecem?
  • Em que lugar isso se passa? O que o lugar pode simbolizar?
  • Com quem eu me identifico nessa passagem? Qual é a mensagem para mim?

Você pode ainda recorrer a algum texto para carregar no bolso e acompanhá-lo no trabalho, considerando sua rotina. Há um material excelente que pode ajudar na sua leitura da Bíblia: o subsídio Viver a Palavra (Editora Paulinas). É um livro de bolso com as leituras diárias dos evangelhos, acompanhadas de comentários. Vale a pena conhecer! Com esses conselhos, mãos à obra! Bons encontros com o Senhor!

Padre Cleiton Silva é doutor em Teologia Moral, pároco, pós-graduado em Marketing e Mídias Digitais, professor na Faculdade Paulo VI, em Mogi das Cruzes, e autor dos livros Confessar e Coração inquieto, publicados pela Paulinas Editora. Gosta muito de futebol, de cozinhar e de participar das redes sociais, para comunicar as riquezas da fé.

Artigos Recentes

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada