O que aquece o seu coração?

Coração
Pixabay.com

Quando praticamos o autoconhecimento, sabemos, de forma mais assertiva, como cuidar de nós mesmos e da nossa mente

Por Camila Cury

Quando o inverno chega e nosso corpo sente frio, cada um de nós utiliza certas ferramentas para se aquecer: um bom chá ou chocolate quente, um gorro na cabeça e uma meia nos pés. Mas e quando falamos de emoções e sentimentos saudáveis? Você se conhece bem e sabe o que lhe desperta uma sensação de paz, tranquilidade ou de alegria, por exemplo? O que aquece o seu coração?

A complexa construção do Eu

Se eu lhe afirmar o seguinte: você não encontrará a felicidade em nada que almeja alcançar ou deseja comprar! A felicidade não é um prêmio que se recebe após uma carreira bem-sucedida ou uma realização pessoal; ela precisa ser encontrada dentro de cada um de nós; é preciso treinar nosso olhar para encontrá-la nas pequenas coisas do dia a dia! Após ler isso, qual o primeiro pensamento que vem à sua mente? 

Aqueles que já estudam sobre a educação socioemocional, com certeza, não ficaram surpresos com a informação. Outros leitores, que nunca haviam refletido sobre isso, podem ter sentido medo, angústia ou insegurança. Há ainda quem buscou, rapidamente, encontrar uma solução e se perguntou: “Mas, então, o que eu preciso fazer para encontrar a felicidade dentro de mim?”.

autoconhecimento
Pixabay.com

Esse exercício exemplifica bem como a nossa mente reage de maneiras diferentes a um mesmo estímulo externo e, com isso, constrói ideias e pensamentos bem distintos. Isso porque cada um de nós é único: somos o resultado de tudo o que vivemos e sentimos, e mais, de tudo o que a nossa família e o nosso meio social viveram e sentiram. 

Portanto, não existe uma lista de estímulos que despertem certos sentimentos e emoções em todas as pessoas, mas, sim, existem instrumentos que devem ser usados para encontrar quais deles nos afetam particularmente. 

Afinal de contas, apesar da construção do nosso Eu ser muito complexa e começar lá no útero materno – ou até antes disso, se pensarmos em todo o contexto cultural, social e genético que carregamos dos nossos antepassados –, ainda somos nós os principais construtores da nossa personalidade! Então, precisamos fazer a nossa parte e partir rumo ao que nos deixa felizes! É aí que entra a chave da questão: o autoconhecimento da dimensão afetiva.

Validando sentimentos e criando memórias

Muitos de nós, quando crianças, fomos ensinados a esconder o que estávamos sentindo e, até mesmo, a duvidar dos nossos pensamentos e sentimentos; era o famoso “engole o choro” ou “você está inventando isso”. Hoje, eu lhe proponho fazer o oposto e olhar para seus sentimentos, validar o que está sentindo e refletir: por que me sinto assim? E o que me causa isso? 

memórias
Pixabay.com

Quando praticamos o autoconhecimento, sabemos, de forma mais assertiva, como cuidar de nós mesmos e da nossa mente. Ter uma vida emocional saudável é uma questão de aprender a gerenciar os nossos pensamentos. 

Durante a nossa vida, nós registramos involuntariamente milhões de experiências na nossa psique, mas apenas aquelas com forte carga emocional (saudável ou não saudável) serão mais facilmente resgatadas por nós. 

O exercício do autoconhecimento permite que criemos um maior número de experiências prazerosas, visto que sabemos aquilo que nos faz bem. Por exemplo: se você sabe que ler notícias sobre um determinado assunto lhe deixa angustiado, mas você precisa lê-las porque seu trabalho demanda e, toda vez, você pensa: “Vou ler sobre isso e vou ficar mal”, no lugar desse pensamento você pode fazer o exercício de dizer: “Vou ler isso, pois preciso, e, logo mais, vou escutar uma música que me anima”. 

O comando que você envia para a sua mente e para o seu corpo mudou e você está mais relaxado, criando uma janela de conteúdo saudável (light), que será sobreposta àquela janela de conteúdo não saudável (killer).

A partir das memórias que guardamos e acessamos, construímos nosso modo de pensar, nossas ideias e nossos conceitos sobre a vida. Por isso, encontre, no seu dia a dia, as pequenas coisas que lhe dão prazer: assistir a um bom filme, ler um livro, cozinhar, praticar esportes, ouvir música, estar em meio à natureza, ou o que quer que seja, e pratique esse exercício todos os dias. 

Isso ajudará a manter seu coração mais quentinho neste inverno e em todas as estações do ano!

Camila Cury é presidente e fundadora da Escola da Inteligência. Autora do livro A beleza está nos olhos de quem vê (Editora Sextante, 2010), vive a maternidade com seus filhos Alice e Augusto, e, em seu Instagram, inspira famílias que buscam conteúdo sobre educação dos filhos.

Artigos Recentes

Deixe seu comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

error: Ação desabilitada